07 Dicas Para Conservar Pinturas de Paredes

invite you to an anniversary party tocelebrate their ten years of marriage!.png

07 Dicas Para Conservar Pinturas de Paredes

1 – Tente sempre limpar a sujeira da pintura assim que percebê-la.

Quanto antes puder fazer a sua remoção, mais fácil será para eliminar as substâncias estranhas, que tendem a se fixar e dar muito mais trabalho para ser retiradas.

2 – Pinturas recentes à base de Látex PVA, repintar localmente.

Para as que precisam de 3 a 4 semanas para ter secagem total e fixação plena, é interessante, dependendo da extensão do dano. Para isso, utilize a sobra da tinta. Remova a sujeira, espere secar bem e reaplique a sobra de tinta apenas no local, tentando deixar o “remendo” o mais uniforme possível.

3 – Para pinturas já fixadas em Látex PVA, utilize um pano macio ou esponja umedecida em água.

Nos casos de poeira ou manchas de toque manual. Com suaves movimentos circulares, evite remover indevidamente a tinta aplicada. Se houver excesso de água, faça o acabamento com outro pano seco, deixando o local o mais uniforme possível.

4 – Para pinturas com manchas de gordura, utilize o mesmo método.

Adicionando um pouco de detergente neutro à esponja ou pano, em movimentos circulares também. Utilize outro pano limpo e seco para remoção dos resíduos já desprendidos da parede após a ação do detergente.

5 – Evite o uso de removedores.

Eles tendem a remover a sujeira e a tinta junto, o que deixará a superfície irregular.

6 – Para os casos de tintas acrílicas tudo fica um pouco mais fácil, devido à sua resistência.

Aplique o mesmo método, observando na secagem se toda a sujeira foi de fato removida.

7 – Nos casos de tintas esmalte as coisas ficam ainda mais fáceis.

Basta aplicar um pano úmido com água e sabão, em movimentos circulares. Em geral isso será suficiente para remover manchas de toque manual, gordura e resíduos particulados. Caso, no entanto, haja a presença de outras tintas, graxas ou materiais viscosos, um pouco de removedor doméstico de gordura tenderá a resolver o problema sem afetar a pintura.

          Fonte disponível em 17/08/2017: http://sossolteiros.bol.uol.com.br/dicas-para-aumentar-a-durabilidade-e-beleza-da-pintura-domiciliar/

Anúncios

Dicas para você ter uma locação tranquila.

IMAGEM.png

Para não haver problemas na documentação e no que foi acordado em negociação antes de assinatura de contrato exija, cuide e leia atentamente tudo que for descrito em contrato e vistoria do imóvel. Aqui vai algumas dicas para você ter uma locação sem incômodo.

O inquilino deve verificar as condições do imóvel. Faça uma revisão em todo o imóvel antes de concretizar qualquer assinatura em vistoria. Evitando futuros problemas que poderão lhe causar desconfortos.

Tanto inquilino como o proprietário devem verificar que se faça constar no contrato: valor do aluguel, índice de reajuste e como será a maneira reajustado o aluguel, duração da locação, multas por atraso no pagamento e forma de pagamento do aluguel.

O proprietário pode e deve exigir que o candidato a inquilino apresente garantias sendo uma delas:

– Caução: Normalmente é feito em dinheiro, no valor de três aluguéis e deverá ser depositado em poupança. No final do contrato, não havendo dívidas, o inquilino deverá receber o total da conta da poupança.

– Fiança: O inquilino apresenta pessoa que se responsabiliza pelos encargos da locação (fiador).

– Seguro fiança: O inquilino faz um seguro junto a uma companhia seguradora que exerce o papel de fiador.

O candidato deverá se informar se a imobiliária de sua pretensão aceita os modos citados acima.

 Direitos e deveres na locação

Deveres do proprietário (locador):

– entregar o imóvel em condições de uso. Se o inquilino perceber qualquer problema após a locação, deverá comunicar o proprietário e solicitar o conserto.

– pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro complementar contra incêndio. Porém, se no contrato constar que essa obrigação é do inquilino, ele terá que cumprir o que foi estabelecido.

– no caso de apartamento, cabe ao proprietário pagar as despesas extraordinárias do condomínio: reformas no prédio, fundo de reserva, manutenções do prédio.

Deveres do inquilino (locatário):

– pagar pontualmente o aluguel no prazo

– utilizar o imóvel conforme determinado em contrato (se para fins residenciais, não poderá ser utilizado para comércio e vice versa)

-entregar o imóvel conforme vistoria, entregar da mesma maneira que o recebeu.

– não alterar características do imóvel sem consentimento do proprietário, com documento assinado e nas formas legais.

– o inquilino deve pagar as despesas ordinárias do condomínio: luz, água, limpeza. E se caso constar em contrato que a obrigação é do inquilino ele deverá pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro contra incêndio.

Se você deseja uma locação tranquila, venha nos procurar que aqui sempre temos a melhor solução para nossos clientes. #VemPraJaeger.

 

5 dicas para morar sozinho pela 1ª vez com pouco dinheiro.

 

Design sem nome.jpg

Uma pesquisa do portal de classificados de imóveis Zap mostrou que, entre os millennials brasileiros, nascidos entre 1985 e 2000, 62% dos solteiros querem morar sozinhos ou, no máximo, com uma pessoa. Metade deles tem pressa para sair da casa dos pais: querem se mudar imediatamente ou em até três meses.

Morar sozinho pela primeira vez tem seus prazeres, mas também seus riscos. É mais fácil se descuidar das despesas e acabar se endividando, como mostrou outra pesquisa divulgada em maio de 2017 pelo SPC Brasil.

Se esse é o seu desejo, a seguir, três especialistas em planejamento financeiro sugerem algumas dicas para morar sozinho pela primeira vez sem perrengues, mesmo com pouco dinheiro:

1) Na primeira vez, alugue

Diferente do senso comum, quase metade dos millennials que procuram imóveis pretende comprar a casa própria em vez de alugar, e essa busca é 35% maior entre os casados.

“A turma mais jovem tem mais interesse em mobilidade do que em jogar a âncora em algum lugar só até casar e ter filho. Depois, tem um comportamento muito semelhante ao dos pais, com apreço pela casa própria”, explica o CEO do Zap, Eduardo Schaeffer.

Mas a casa própria nem sempre é sinônimo de sucesso financeiro, especialmente no início da carreira profissional.

“Os brasileiros são muito apegados a imóveis, mas a aquisição da primeira casa própria exige algumas respostas que dificilmente um jovem tem. Durante quanto tempo você pretende ficar nesse imóvel? Pretende se casar e continuar morando nele? Se tiver filhos, a casa vai atender às suas necessidades?”, questiona a educadora financeira Cássia D´Aquino.

Segundo a especialista, a ideia de que o imóvel é sempre um bom investimento precisa ser relativizada e, nessa fase da vida, é melhor alugar até ter mais claro seus objetivos futuros. O financiamento é um compromisso financeiro de prazo muito longo e vender o imóvel no futuro pode não ser tão fácil.

2) Aprenda afazeres domésticos para economizar

A ideia do “agora vou viver como eu quero” pode sair bem cara se você não se organizar para isso. “Morar sozinho não é fazer tudo o que se quer, é ser responsável por tudo o que se faz”, lembra Cássia.

Se você não sabe cozinhar nem lavar roupa, por exemplo, é melhor aprender antes que esses afazeres domésticos virem mais um custo fora de casa.

3)  Faça um levantamento de todos os custos

Planejamento é essencial pra você ter certeza que vai conseguir arcar com todos os custos da casa nova antes de decidir se mudar. Faça uma lista de todos os gastos essenciais que terá, como aluguel, luz e internet.

“Esse é o primeiro passo. Se esses custos couberem no orçamento, você vai para a segunda lista, dos custos para mobiliar a casa”, ensina a planejadora financeira Leticia Camargo, da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar).

É bem possível que, logo de cara, os custos se mostrem mais altos do que você imaginava. Se isso acontecer, veja onde você está disposto a mexer para reduzir os gastos. É nessa hora que você verá se está realmente disposto a abrir mão de alguns confortos para morar sozinho.

4) Se organize para manter uma reserva de emergência

Lembre-se de incluir na simulação dos custos não só os gastos fixos, mas também os gastos eventuais com imprevistos, se precisar fazer alguma manutenção na casa.

“É normal morar sozinho pela primeira vez com o orçamento apertado, mas não pode ser tão apertado a ponto de ficar no zero a zero e não ter nenhuma folga financeira para arcar com imprevistos”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

O ideal é manter guardado para emergências um valor entre três e seis salários. Se isso parecer muito para você, organize o orçamento para guardar algum dinheiro todo mês, não importa quanto seja.

5) Organize o pagamento das contas

Se possível, coloque todos os pagamentos no débito automático e tente agrupá-los para a mesma data, casada com o pagamento do salário. Outra dica é colocar lembretes no celular ou na geladeira de todos os pagamentos.

 

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/endividamento-aumenta-entre-quem-mora-sozinho-mostra-pesquisa/

 

Quem paga o IPTU do Imóvel Locado?

Quem deve Pagar-.jpg

 

Na hora de alugar um imóvel, muita gente tem a mesma dúvida. Quem arcará com o pagamento do IPTU (Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana).

O primeiro pronto a ser esclarecido é sobre o pagamento do IPTU. De acordo com o artigo 34 do Código Tributário Nacional, o contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, fica a ele a obrigação do pagamento do IPTU.

A Lei do inquilinato (Lei nº 8245/91) diz, no artigo 22, inciso VIII, que o locador (proprietário) é obrigado a pagar o imposto e as taxas que venham a incidir sobre o mesmo, salvo se de outra forma for estabelecida em contrato.

O IPTU PODE SER PAGO PELO INQUILINO?

Apesar da legislação, em alguns contratos de locação, pode ser estabelecido que as despesas com IPTU fiquem por conta do inquilino. Esse valor é combinado entre as partes e é pago, muitas vezes, juntamente com o aluguel ou com a taxa de condomínio.

A nova Lei do Inquilinato (Lei 12.112/2010) deixa isso bem claro: o pagamento do IPTU pode ser negociado entre o locador e o locatário do imóvel, até que um acordo seja feito entre as duas partes. Mas para que o IPTU se torne de fato uma obrigação do inquilino e não gere dor de cabeça para o proprietário, é importante formalizar esta obrigação claramente dentro do contrato de locação.

O que acontece se o inquilino não pagar o IPTU?

Se o inquilino que for obrigado em contrato a quitar o IPTU não efetuar o pagamento, a responsabilidade pelo pagamento em atraso cairá sobre o locador, ou seja, nada acontece juridicamente com o locatário que não pagou o imposto e sim com o dono do imóvel: será ele que terá que arcar com todas as multas, encargos e juros que serão cobrados pelo poder público. Se o débito continuar existindo por determinado período, o proprietário poderá sofrer até uma execução fiscal e ter seu nome inscrito na lista de dívida ativa do município. Nesse caso, a alegação de que o pagamento do IPTU era responsabilidade do locatário não terá valor nenhum. Mesmo que haja um contrato estipulando tal obrigação, isso não resolverá o problema com a prefeitura.

O que o proprietário deve fazer se o inquilino não pagar o IPTU?

Se existe um contrato de locação entre proprietário e inquilino, onde o locatário se responsabiliza pelo pagamento do IPTU do imóvel, este contrato é válido e pode ser usado judicialmente em caso de não cumprimento de suas cláusulas.

Fica definido que se o locatário deve pagar o IPTU e ele deixa de fazer isso, o locador pode acioná-lo na justiça exigindo o pagamento da dívida e pedindo por uma compensação de todos os danos que foram causados.

Isso é o que diz o artigo 22, VIII da Lei nº 8.245/1991: havendo contrato de aluguel que preveja obrigação do inquilino em pagar o IPTU do imóvel alugado e mediante o seu não pagamento, o locador deverá quitar a divida para não sofrer com as sanções fiscais e terá o direito de ingressar com ação judicial para receber de volta os valores gastos. Ou seja, o contrato pode não representar nada para a autoridade fiscal – que continuará cobrando o IPTU do proprietário do imóvel. Porém, o contrato tem total valor na esfera civil, pois é um acordo celebrado entre as duas partes, podendo assim ser usado judicialmente.

Assim sendo, toda a atenção é essencial no ato da confecção e assinatura do contrato de locação.

#VemPraJaeger

Jardim Vertical, uma ideia para o seu espaço.

Com o estresse do dia a dia e com as cidades cada vez mais urbanizadas, concretadas e cinzas, os jardins verticais surgem como uma solução para as pessoas que querem trazer um pedacinho da natureza para dentro da sua casa. Pensando nisso, trago para você neste post ideias de como fazer e de como manter o seu jardim vertical.

O jardim vertical nada mais é do que um jardim que é fixado no sentido vertical em muros ou suspenso por suportes instalados na vertical, podendo criar painéis verdes com plantas de diversas espécies, ou ainda plantas suspensas verticalmente em suportes espaçados, sem que haja a percepção de uma unidade entre as mesmas.

Atualmente, os jardins verticais estão sendo muito utilizados em grandes construções, fachadas de edifícios com propostas sustentáveis, pois o painel verde cria um isolamento acústico e térmico natural, além de servir também para o controle da iluminação natural que incide sobre as fachadas dos edifícios.

Muitos edifícios estão investindo no jardim vertical para economizar energia com sistemas de condicionamento de ar, reduzir a poluição do ar e, principalmente, a poluição sonora, e ainda criar ambientes mais amigáveis para quem trabalha ou mora estes edifícios.

Mas o jardim vertical não é uma exclusividade dos grandes edifícios. Qualquer um pode ter o seu próprio jardim vertical na escala que desejar, em pequenos painéis decorativos, calhas de PVC suspensas com plantação de ervas, muros ajardinados ou ainda painéis internos. São comuns em projetos paisagísticos residenciais com jardins pequenos e de inverno.

Como o jardim vertical pode ser instalado na parte interna ou externa, é preciso saber escolher bem as espécies de plantas. Os locais devem receber iluminação, mesmo que indireta, e as espécies têm que estar de acordo com o local de instalação do jardim, ou seja, jardins expostos ao sol devem ter espécies que são cultivadas a sol pleno, já na área interna as espécies escolhidas devem ser de sombra.

É possível cultivar praticamente qualquer espécie de planta ou árvore em jardins verticais, contanto que as raízes tenham espaço para se desenvolver no suporte utilizado e que o suporte aguente o peso total contando com a terra úmida.

Nas casas é comum se plantar espécies comestíveis como o manjericão, manjerona, orégano, alecrim, tomilho, sálvia, hortelã, coentro, salsinha, pimenta, etc. Principalmente próximo às cozinhas, facilitando o uso dessas ervas, também é muito comum o uso de espécies de suculentas, por serem plantas cactáceas, parentes dos cactos, que não precisam ser irrigadas com frequência e se adaptam bem a meia sombra.

É importante escolher espécies de plantas perenes para jardins verticais, plantas que não perdem suas folhas com as estações para que o jardim se mantenha sempre vistoso durante todo o ano. Algumas espécies de plantas ajudam a esconder as estruturas de apoio do jardim vertical, são plantas com folhagem pendente ou semi pendente. Outra opção são as forrações, é possível variar as espécies de forrações para criar painéis coloridos e com texturas diferentes.

Quer fazer seu próprio jardim vertical? Tem um punhado de tutoriais no Youtube ensinando como fazer um jardim vertical, mas os jardins verticais demandam alguns cuidados importantes para que as plantas se mantenham saudáveis, com cores vivas e não apodreçam ou sequem no suporte.

Jardim vertical mal feito ao invés de trazer benefícios pode causar mau odor devido ao apodrecimento das plantas.

Para jardins verticais extensos de fachadas e muros altos, onde as pessoas não têm acesso com facilidade é preciso contratar uma empresa especializada de paisagismo vertical para fazer o projeto, pois essas empresas utilizam materiais apropriados, inclusive substratos que são mais leves e não vão sobrecarregar a estrutura das fachadas, paredes e muros, além de prever sistemas de irrigação automáticos com adubagem líquida, sistemas de escoamento da água eficientes e ainda escolher espécies adequadas para o jardim vertical.

Agora se o seu objetivo é apenas fazer um jardim vertical simples você pode optar por vasos dispostos verticalmente (vasos de barro absorvem melhor a água), ou ainda estruturas prontas para jardins verticais feitas de concreto, de plástico, estruturas cerâmicas, placas de fibra de coco e até vasos feitos com canos de PVC.

Para fixar vasos utilize painéis de madeira, treliças de bambo ou metálicas e cordas para os jardins suspensos, lembrando que a estrutura tem que ser firme e bem fixada, com furos para que a água escorra e com um sistema de dreno para essa água excedente caso o jardim seja interno.

Fica a dica para quem quer fazer algo diferenciado e personalizado, espero que tenha gostado de nossas dicas e informações.

#VemPraJaeger

Djeisan Colombo – Consultora

Inadimplência, o terror do locador!

Inadimplência, o terror do locador!.png

Inadimplência, o terror do locador!

          Se talvez exista algum medo no negócio jurídico da locação, este tem o nome de “inadimplência”. Apesar de termos resultados bastantes positivos nesta questão, ainda existem casos em que temos de recorrer à justiça para a regularização. E quando recorremos a justiça, os proprietários se mostram sem conhecimento legal do processo, portanto vamos desmistificar o assunto.

          Talvez a principal razão para uma ação de despejo, a falta de pagamento está prevista no Art. 62° da Lei do Inquilinato (Lei 8245/91). No artigo está previsto que: “I – o pedido de rescisão da locação poderá ser cumulado com o pedido de cobrança dos aluguéis e acessórios da locação; nesta hipótese, citar-se-á o locatário para responder ao pedido de rescisão e o locatário e os fiadores para responderem ao pedido de cobrança, devendo ser apresentado, com a inicial, cálculo discriminado do valor do débito.”

          Portanto, ao distribuir a ação, além do pedido de rescisão, devem ser anexados todos os cálculos discriminando valores atualizados. Desta forma, em uma única ação, será possível despejar e cobrar os valores devidos, inclusive os vencimentos no decorrer do processo. O fiador estará incluso no processo, caso seja esta a garantia locatícia.

          Vale lembrar também que, o locatário ainda sim pode evitar o despejo e a rescisão contratual. Basta efetuar o pagamento de TODOS os débitos pendentes em um período máximo de 15 dias a contar da citação. Tudo isso via depósito em juízo (Art. 62, inc. II Lei 8245/91).

            A partir deste conhecimento concluímos que é possível pedir a rescisão do contrato e ordem de despejo em caso de inadimplência, e que todo e qualquer débito pendente será cobrado em vias judiciais. No entanto é indispensável a consulta e o acompanhamento de um advogado especializado em direito imobiliário.

https://www.portorioimobiliaria.com/single-post/2017/05/13/Inadimpl%C3%AAncia-o-terror-do-locat%C3%A1rio

VAI VIAJAR? CUIDADOS COM A CASA NO PERÍODO DAS FÉRIAS

cuidados-casa-ferias-700x300.jpg

Com as férias chegando, muitas famílias fazem planos de viagem para aproveitar bem o momento de lazer e de descanso. É sempre bom pensar em todos os detalhes para viajar sem preocupações e um dos pontos mais importantes é o que diz respeito à segurança de sua casa no período de ausência.

Quais cuidados com a residência você costuma tomar quando sai para viajar? Separamos  dicas essenciais para ajudá-lo. Veja a seguir!

Não espalhe a notícia

Do mesmo jeito que você e a sua família planejam um roteiro para seus passeios de férias, deve-se ter uma lista de coisas a cumprir, a fim de deixar a casa em segurança. Só que a segurança do imóvel começa antes da partida: é importante que você não comente do seu plano de férias e ausência para muitos vizinhos ou estranhos.

Pode-se informar sobre o período de ausência futura para um vizinho próximo, somente, com a solicitação de que ele fique atento a alguma movimentação suspeita ao redor do imóvel. Ao retornar, e se estiver de carro, fique atento e olhe com atenção para a rua para ver se não tem alguma movimentação estranha.

Teste todas as trancas

Teste os fechos e os trincos da casa. Se possível, instale reforços, principalmente nos portões laterais e nas portas da cozinha. Evite colocar o cadeado do lado de fora do portão, porque isso pode denunciar a sua saída.

Proteja os objetos de valor

No que diz respeito a joias, obras de arte entre outros objetos de alto valor, o mais recomendado é evitar mantê-los em casa, mesmo em cofres. A não ser que essas peças estejam seguradas e o imóvel esteja bem protegido com seguro, câmeras e outros sistemas de proteção.

Tenha cuidado com as chaves

Não deixe a chave do imóvel com terceiros, exceto se forem pessoas de sua confiança. Além do mais, jamais deixe as chaves “escondidas” naqueles locais que você considera secretos, como embaixo do tapete da entrada ou dentro dos vasos do corredor.

Desligue os aparelhos eletrônicos

Para que não ocorra nenhum problema com os aparelhos, eles devem ser desligados. Vale dizer que tirar os aparelhos eletrônicos da tomada gera grande economia de energia elétrica.

É comum que eletrodomésticos como freezer, geladeira, rádio relógio e micro-ondas, por exemplo, consumam energia elétrica de forma desnecessária durante a ausência dos moradores. Não deixe os aparelhos em stand-by à toa e diminua a potência de máquinas que precisam permanecer ligadas, como o freezer e a geladeira — afinal, elas não serão abertas e fechadas tantas vezes nesse período.

Se você quiser deixar alguma lâmpada acessa durante a temporada em que estará fora, uma boa solução é instalar um temporizador — e programá-lo para apagar e acender a lâmpada em horas específicas. Isso também racionalizará o uso da energia elétrica.

Contrate um seguro residencial

Para ter mais segurança, há a opção de contratar um seguro residencial. Geralmente, o seguro garante proteção contra explosão, incêndio ou queda de raios.

Você também poderá contratar as coberturas adicionais, que protegem contra danos elétricos, vendaval, furtos, inundações e roubos.

Instale sistemas de segurança

A instalação de sistemas de segurança, como câmeras de monitoramento, cercas elétricas e alarmes, principalmente para quem mora em casa, também é uma boa opção.

Existem sistemas de segurança em que você pode acompanhar, via internet e aplicativos, como está o movimento da sua casa em sua ausência diretamente do seu celular ou computador. Além disso, você recebe avisos de intrusão e ainda pode ativar e desativar o alarme a qualquer hora.

Use lâmpadas de fotocélulas

A lâmpada de fotocélulas faz com não haja gasto de eletricidade o dia todo e também são importantes para dar a impressão que existe alguém circulando dentro da residência. Isso acontece porque essas lâmpadas ficam acessas quando se está escuro e apagam assim que detectam que o ambiente está claro. Também é uma boa forma de se economizar energia.

Suspenda as assinaturas de jornais e revistas

Revistas e jornais empilhados na porta da sua residência podem chamar a atenção de possíveis invasores. A fim de evitar que isso ocorra, você pode cancelar, suspender sua entrega ou pedir para alguma pessoa de confiança recolhê-los periodicamente.

Desligue a campainha

Para não chamar a atenção de estranhos, os donos da casa devem se lembrar de desligar a campainha ou redirecioná-la para a casa de um vizinho de confiança. O mesmo vale para o telefone residencial, visto que há a possibilidade de transferir a ligação para outro número, para que, assim, as chamadas futuras sejam atendidas, de forma prática e adequada.

Tenha auxílio de alguma pessoa de confiança

É sempre bom poder contar com a ajuda de alguém em quem confia. Caso você vá viajar por um longo período, pode escolher um amigo, parente ou vizinho para dar uma olhada na residência e ver se está tudo em ordem. Além do mais, essa pessoa de confiança poderá cuidar do jardim, regar suas plantas, abrir janelas e portas para melhor circulação do ar e receber correspondências.

Viajar é sempre bom para conhecer novos lugares, culturas e pessoas. Mas, para não ficar com a cabeça cheia de preocupações e poder desfrutar mais de suas férias, vale a pena seguir alguns procedimentos como precaução.

 

O que fazer quando a obra atrasa e os juros do financiamento continuam correndo?

 

juros obra.jpgQuando se financia imóvel na planta através de instituição bancária, ligada a programas habitacionais é comum a cobrança mensal dos chamados juros de obra.
Os respectivos juros de obra, nada mais são do que o pagamento de parte de juros do financiamento auferido pelo mutuário e que possivelmente tendem a diminuir com o passar dos anos. Até aí tudo bem!
O problema do mutuário começa a surgir quando ocorre atraso na entrega do empreendimento, uma vez que o mesmo sente-se lesado na medida em que mensalmente paga sua fatura de juros de obra e não vê o andamento da obra na mesma medida.
Quando isso acontece surgem os questionamentos: É certo pagar esses juros enquanto a obra está parada? Não seria melhor suspender a cobrança dos juros até o recomeço das obras?

Olha, lamentavelmente vemos muitas pessoas judicializando a questão, principalmente para não pagar ou até mesmo “suspender” a cobrança dos juros de obra.
No entanto, ao agir desta forma, cometem um grande equívoco.
É que ao paralisar/suspender o pagamento mensal dos juros de obra, seja administrativamente ou judicialmente, simplesmente se transfere essa conta para o futuro. Veja que tal ato não traz nenhuma vantagem para o mutuário, pelo contrário coloca o mesmo em prejuízo.
Por outro lado, o ato também não faz com que a construtora acelere o empreendimento.
Assim, ao agir dessa forma tenham certeza de prejuízos financeiros serão trazidos ao próprio mutuário, pois além de não se mostrar o mais correto e condizente com o contrato de financiamento e com as legislações a ele atinentes, adiam o pagamento dos respectivos valores, cujos aos mesmos serão inseridas as atualizações necessárias.
Portanto, muito cuidado com os que oferecem milagres ou tentam demostrar que a suspensão da respectiva cobrança dos juros de obra é o melhor para o consumidor, pois não é!
A saída é outra e no caso da existência de danos devem os adquirentes desses imóveis agirem da forma correta e não contrária aos princípios basilares do sistema financeiro da habitação.

Se você ainda tem dúvida sobre esse assunto, venha até a Imobiliária Jaeger que um dos nossos consultores irá lhe auxiliar.

#VemPraJaeger

7 dicas de planejamento financeiro para comprar o imóvel dos sonhos

 

7 dicas de planejamento financeiro para comprar o imóvel dos sonhos.jpg

A compra do apartamento ou da casa própria é um marco importante na vida de qualquer pessoa. No entanto, o caminho para realizar esse sonho não é nada simples: é preciso organização e planejamento financeiro antes de pensar em adquirir o imóvel que você tanto quer.

Uma compra feita da forma errada pode impactar negativamente a sua vida por um longo período, trazendo sérios prejuízos não só para você mas também a toda sua família. Por isso, separamos neste post 7 dicas de planejamento financeiro. Confira!

1. Organize suas finanças e estabeleça metas de poupança

A primeira coisa a fazer para atingir essa conquista é se organizar financeiramente. Tenha em mãos seu orçamento, lance seus ganhos e gastos em uma planilha e calcule quanto sobrará por mês para ser investido na compra do imóvel.

Com base nesse orçamento, se esforce para economizar. O interessante é trabalhar com uma meta de valor para ser poupada.

Se você perceber que não está sendo possível atingir a quantia desejada, analise o que pode ser cortado de outros gastos.

2. Faça um planejamento financeiro para investir tudo o que for poupado

Dinheiro parado é sinônimo de prejuízo. Por isso, enquanto você junta a quantia para comprar seu imóvel, esse dinheiro pode ser aplicado em algum investimento financeiro para render ao longo do tempo.

O ideal é investir em alguma aplicação segura de renda fixa, que lhe garanta ganhos estáveis e previsíveis.

3. Procure a melhor forma de pagamento

Existem três principais maneiras de comprar um imóvel: a aquisição à vista, o financiamento e o consórcio imobiliário.

Analise a sua situação financeira

Para evitar dívidas, é sempre preferível pagar qualquer coisa à vista. Porém, devido aos preços dos imóveis, nem sempre isso é possível. Por isso, é importante ter em mente quais são as outras formas de pagamento possíveis e adequá-las de acordo com sua capacidade financeira.

Seu FGTS pode ajudar

Não se esqueça também de que uma ajuda pode vir de seu FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), já que seu uso é permitido para a aquisição e financiamento de imóveis.

Consórcios oferecem custos mais baixos

A compra por meio de consórcios também vem se tornando uma alternativa muito popular entre os brasileiros. Ele é ideal para aqueles que não estão com pressa na aquisição, oferendo um custo mais baixo.

4. Considere as diferenças de preço entre imóveis novos e usados

Existem várias diferenças entre imóveis novos e usados.

Ao decidir por essa opção, é importante conferir se o imóvel é antigo e como estão as instalações hidráulicas, fiação elétrica, lajes, telhados, pisos, revestimentos e a estrutura. Muitas vezes uma reforma acaba sendo necessária, o que pode fazer com que a economia obtida na hora da compra deixe de existir.

Um imóvel na planta pode ser interessante por ser um novo projeto e apresentar menos riscos de problemas estruturais, se optar por essa alternativa, pesquise o histórico da empresa, verificando se ela tem boa reputação no mercado e nos órgãos de defesa do consumidor.

5. Tenha calma e não se apresse para escolher

Por mais que a vontade e a urgência em adquirir um imóvel sejam grandes, é preciso ter cautela. O recomendado é pesquisar e analisar todas as alternativas que aparecerem antes de decidir, até encontrar aquela que se encaixe em suas necessidades. O mercado imobiliário é dinâmico e várias boas oportunidades podem surgir com o tempo.

6. Preste atenção aos gastos e despesas extras

Os gastos com a aquisição de um imóvel não se limitam apenas ao valor das prestações e do financiamento. Existem, ainda, as taxas de transferência, documentação. Por isso, reserve também uma quantia para cobrir esses custos.

7. Recorra à ajuda de um profissional

Mesmo com tanto planejamento, ninguém está livre de imprevistos. Por isso, é sempre prudente contar com um apoio profissional. A ajuda de um consultor de imóveis é necessária caso ocorra uma situação não esperada ou até mesmo para solucionar questões relacionadas ao financiamento, por exemplo.

É importante ter total confiança nesse profissional. Peça a ele que esclareça as dúvidas envolvidas na compra, identificando possíveis problemas com documentação, pagamento, escrituras, entre outros trâmites.

Por isso venha até a Imobiliária Jaeger que nossos corretores estarão lhe aguardando.

 

 

Seguro Fiança… Uma nova forma de alugar com segurança.

Design sem nome.jpg

 

O seguro fiança na locação é uma das opções que o inquilino tem de garantir ao proprietário o recebimento do aluguel. O uso do seguro traz agilidade na aprovação do interessado à locação, trazendo mais segurança para o locador.

É um serviço que pode ser contratado para aluguéis residenciais e comerciais. O fiador e o seguro fiança garantem o recebimento do aluguel; qualquer uma dessas opções traz segurança para os proprietários e para as imobiliárias que administram imóveis. Esse método também ajuda a cobrir no final da locação eventuais inadimplências do locatário ou danos ao imóvel.

A figura do fiador está cada vez mais escassa, enquanto ocorre o contrário com o seguro fiança. Clientes locatários estão preferindo este modo até para evitar o constrangimento de pedir a alguém para ser o fiador do seu aluguel, suas taxas de condomínio e impostos, caso ele não possa arcar.

E entre as exigências tomadas como precaução para aceitação de um fiador no contrato de locação é de que este possua mais de um imóvel escriturado ou quitado no seu nome, para que se possa penhorar esse imóvel em caso de inadimplência do inquilino. A explicação para tantas exigências é pelo fato dos custos operacionais e judiciais, caso preciso for mover uma ação de despejo por falta de pagamento. 

Com o seguro fiança a imobiliária conta com a seguradora para realizar o trabalho e a responsabilidade pela aprovação da ficha do futuro inquilino. O seguro fiança está cada vez mais se expandindo, pois além de segurança, traz inúmeras vantagens para ambas as partes, por exemplo: agilidade na aprovação da locação; evita constrangimentos gerados ao se procurar um fiador; possibilidade de pagamento do seguro parcelado ou à vista; segurança e agilidade no recebimento de valores para cobrir qualquer eventual dano e falta de pagamento.

Se você pensou em alugar com segurança venha para Imobiliária Jaeger, aqui nós trabalhamos com seguro fiança.

#VemPraJaeger