07 Dicas Para Conservar Pinturas de Paredes

invite you to an anniversary party tocelebrate their ten years of marriage!.png

07 Dicas Para Conservar Pinturas de Paredes

1 – Tente sempre limpar a sujeira da pintura assim que percebê-la.

Quanto antes puder fazer a sua remoção, mais fácil será para eliminar as substâncias estranhas, que tendem a se fixar e dar muito mais trabalho para ser retiradas.

2 – Pinturas recentes à base de Látex PVA, repintar localmente.

Para as que precisam de 3 a 4 semanas para ter secagem total e fixação plena, é interessante, dependendo da extensão do dano. Para isso, utilize a sobra da tinta. Remova a sujeira, espere secar bem e reaplique a sobra de tinta apenas no local, tentando deixar o “remendo” o mais uniforme possível.

3 – Para pinturas já fixadas em Látex PVA, utilize um pano macio ou esponja umedecida em água.

Nos casos de poeira ou manchas de toque manual. Com suaves movimentos circulares, evite remover indevidamente a tinta aplicada. Se houver excesso de água, faça o acabamento com outro pano seco, deixando o local o mais uniforme possível.

4 – Para pinturas com manchas de gordura, utilize o mesmo método.

Adicionando um pouco de detergente neutro à esponja ou pano, em movimentos circulares também. Utilize outro pano limpo e seco para remoção dos resíduos já desprendidos da parede após a ação do detergente.

5 – Evite o uso de removedores.

Eles tendem a remover a sujeira e a tinta junto, o que deixará a superfície irregular.

6 – Para os casos de tintas acrílicas tudo fica um pouco mais fácil, devido à sua resistência.

Aplique o mesmo método, observando na secagem se toda a sujeira foi de fato removida.

7 – Nos casos de tintas esmalte as coisas ficam ainda mais fáceis.

Basta aplicar um pano úmido com água e sabão, em movimentos circulares. Em geral isso será suficiente para remover manchas de toque manual, gordura e resíduos particulados. Caso, no entanto, haja a presença de outras tintas, graxas ou materiais viscosos, um pouco de removedor doméstico de gordura tenderá a resolver o problema sem afetar a pintura.

          Fonte disponível em 17/08/2017: http://sossolteiros.bol.uol.com.br/dicas-para-aumentar-a-durabilidade-e-beleza-da-pintura-domiciliar/

Anúncios

Dicas para você ter uma locação tranquila.

IMAGEM.png

Para não haver problemas na documentação e no que foi acordado em negociação antes de assinatura de contrato exija, cuide e leia atentamente tudo que for descrito em contrato e vistoria do imóvel. Aqui vai algumas dicas para você ter uma locação sem incômodo.

O inquilino deve verificar as condições do imóvel. Faça uma revisão em todo o imóvel antes de concretizar qualquer assinatura em vistoria. Evitando futuros problemas que poderão lhe causar desconfortos.

Tanto inquilino como o proprietário devem verificar que se faça constar no contrato: valor do aluguel, índice de reajuste e como será a maneira reajustado o aluguel, duração da locação, multas por atraso no pagamento e forma de pagamento do aluguel.

O proprietário pode e deve exigir que o candidato a inquilino apresente garantias sendo uma delas:

– Caução: Normalmente é feito em dinheiro, no valor de três aluguéis e deverá ser depositado em poupança. No final do contrato, não havendo dívidas, o inquilino deverá receber o total da conta da poupança.

– Fiança: O inquilino apresenta pessoa que se responsabiliza pelos encargos da locação (fiador).

– Seguro fiança: O inquilino faz um seguro junto a uma companhia seguradora que exerce o papel de fiador.

O candidato deverá se informar se a imobiliária de sua pretensão aceita os modos citados acima.

 Direitos e deveres na locação

Deveres do proprietário (locador):

– entregar o imóvel em condições de uso. Se o inquilino perceber qualquer problema após a locação, deverá comunicar o proprietário e solicitar o conserto.

– pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro complementar contra incêndio. Porém, se no contrato constar que essa obrigação é do inquilino, ele terá que cumprir o que foi estabelecido.

– no caso de apartamento, cabe ao proprietário pagar as despesas extraordinárias do condomínio: reformas no prédio, fundo de reserva, manutenções do prédio.

Deveres do inquilino (locatário):

– pagar pontualmente o aluguel no prazo

– utilizar o imóvel conforme determinado em contrato (se para fins residenciais, não poderá ser utilizado para comércio e vice versa)

-entregar o imóvel conforme vistoria, entregar da mesma maneira que o recebeu.

– não alterar características do imóvel sem consentimento do proprietário, com documento assinado e nas formas legais.

– o inquilino deve pagar as despesas ordinárias do condomínio: luz, água, limpeza. E se caso constar em contrato que a obrigação é do inquilino ele deverá pagar os impostos (IPTU), taxas e prêmios de seguro contra incêndio.

Se você deseja uma locação tranquila, venha nos procurar que aqui sempre temos a melhor solução para nossos clientes. #VemPraJaeger.

 

Inadimplência, o terror do locador!

Inadimplência, o terror do locador!.png

Inadimplência, o terror do locador!

          Se talvez exista algum medo no negócio jurídico da locação, este tem o nome de “inadimplência”. Apesar de termos resultados bastantes positivos nesta questão, ainda existem casos em que temos de recorrer à justiça para a regularização. E quando recorremos a justiça, os proprietários se mostram sem conhecimento legal do processo, portanto vamos desmistificar o assunto.

          Talvez a principal razão para uma ação de despejo, a falta de pagamento está prevista no Art. 62° da Lei do Inquilinato (Lei 8245/91). No artigo está previsto que: “I – o pedido de rescisão da locação poderá ser cumulado com o pedido de cobrança dos aluguéis e acessórios da locação; nesta hipótese, citar-se-á o locatário para responder ao pedido de rescisão e o locatário e os fiadores para responderem ao pedido de cobrança, devendo ser apresentado, com a inicial, cálculo discriminado do valor do débito.”

          Portanto, ao distribuir a ação, além do pedido de rescisão, devem ser anexados todos os cálculos discriminando valores atualizados. Desta forma, em uma única ação, será possível despejar e cobrar os valores devidos, inclusive os vencimentos no decorrer do processo. O fiador estará incluso no processo, caso seja esta a garantia locatícia.

          Vale lembrar também que, o locatário ainda sim pode evitar o despejo e a rescisão contratual. Basta efetuar o pagamento de TODOS os débitos pendentes em um período máximo de 15 dias a contar da citação. Tudo isso via depósito em juízo (Art. 62, inc. II Lei 8245/91).

            A partir deste conhecimento concluímos que é possível pedir a rescisão do contrato e ordem de despejo em caso de inadimplência, e que todo e qualquer débito pendente será cobrado em vias judiciais. No entanto é indispensável a consulta e o acompanhamento de um advogado especializado em direito imobiliário.

https://www.portorioimobiliaria.com/single-post/2017/05/13/Inadimpl%C3%AAncia-o-terror-do-locat%C3%A1rio

Seguro Fiança… Uma nova forma de alugar com segurança.

Design sem nome.jpg

 

O seguro fiança na locação é uma das opções que o inquilino tem de garantir ao proprietário o recebimento do aluguel. O uso do seguro traz agilidade na aprovação do interessado à locação, trazendo mais segurança para o locador.

É um serviço que pode ser contratado para aluguéis residenciais e comerciais. O fiador e o seguro fiança garantem o recebimento do aluguel; qualquer uma dessas opções traz segurança para os proprietários e para as imobiliárias que administram imóveis. Esse método também ajuda a cobrir no final da locação eventuais inadimplências do locatário ou danos ao imóvel.

A figura do fiador está cada vez mais escassa, enquanto ocorre o contrário com o seguro fiança. Clientes locatários estão preferindo este modo até para evitar o constrangimento de pedir a alguém para ser o fiador do seu aluguel, suas taxas de condomínio e impostos, caso ele não possa arcar.

E entre as exigências tomadas como precaução para aceitação de um fiador no contrato de locação é de que este possua mais de um imóvel escriturado ou quitado no seu nome, para que se possa penhorar esse imóvel em caso de inadimplência do inquilino. A explicação para tantas exigências é pelo fato dos custos operacionais e judiciais, caso preciso for mover uma ação de despejo por falta de pagamento. 

Com o seguro fiança a imobiliária conta com a seguradora para realizar o trabalho e a responsabilidade pela aprovação da ficha do futuro inquilino. O seguro fiança está cada vez mais se expandindo, pois além de segurança, traz inúmeras vantagens para ambas as partes, por exemplo: agilidade na aprovação da locação; evita constrangimentos gerados ao se procurar um fiador; possibilidade de pagamento do seguro parcelado ou à vista; segurança e agilidade no recebimento de valores para cobrir qualquer eventual dano e falta de pagamento.

Se você pensou em alugar com segurança venha para Imobiliária Jaeger, aqui nós trabalhamos com seguro fiança.

#VemPraJaeger

ALERTA IMPORTANTE: FIQUE ATENTO AO MUDAR-SE PARA O IMÓVEL ALUGADO!!!

blog-23-02

 

Quando alugamos um imóvel, ficamos com a cabeça cheia de tarefas e acabamos esquecendo de alguns itens básicos para manter nossa segurança nessa transição. A primeira coisa a fazer após pegar as chaves do imóvel é trocar as fechaduras dos seus principais acessos, assim evitará alguns transtornos decorrentes da entrada de pessoas desconhecidas no seu lar.

Ocorre que os imóveis ficam disponíveis em várias imobiliárias da cidade e são muitos os candidatos que pegam as chaves para visitação. Esse processo cria oportunidades para indivíduos de má fé fazerem cópias, aguardando você mudar-se para invadir ilegalmente seu imóvel e furtar seus bens.

Outro motivo é que após ser feita a locação de fato, algumas imobiliárias não atualizam seu cadastro e esquecem de inativar o imóvel, ocasionando a visitação pós imóvel já alugado, podendo você sair para trabalhar e alguém entrar no seu imóvel ou ainda interferir na sua privacidade.

Por isso fica o alerta: “TROQUE AS FECHADURAS” no ato da posse do imóvel que você alugou.

            A Imobiliária Jaeger conta com profissionais para lhe auxiliar sempre que precisar. Sempre que tiver qualquer dúvida, visite-nos!

#VemPraJaeger

O QUE É TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PARA ALUGUEL?

 

Vitamin Sea.jpg

O QUE É TITULO DE CAPITALIZAÇÃO PARA ALUGUEL?

Diante das exigências das imobiliárias de se apresentar uma garantia locatícia, o título de capitalização pode ser um facilitador nesse momento, pois ele nada mais é que uma forma de “caução” onde o inquilino não tem prejuízos e sim investimento, pois ele poderá resgatar esse valor na sua totalidade no fim do contrato de locação, desde que não haja inadimplência.

Quanto custa o título de capitalização para aluguel?

O custo varia conforme o valor da caução negociada com a imobiliária, mas normalmente é exigida a contratação de um título de capitalização no valor de 6 a 12 vezes o aluguel mensal (encargos, somente em alguns casos).

Se comparado com as demais modalidades de garantia locatícia, o título de capitalização apresenta algumas vantagens, tais como:

Não depender de fiador: É isso mesmo! O título de capitalização substitui a figura do fiador e você não dependerá daquele favorzinho do seu parente ou amigo.

Serve para qualquer tipo de imóvel: É possível utilizá-lo como caução na locação de imóveis residenciais, comerciais, galpões, terrenos, prédios, etc.

A contratação é rápida e simplificada: pois você precisará assinar apenas uma proposta e efetuar o pagamento de um único boleto, que são gerados com dados cadastrais básicos dos envolvidas na locação.

A renovação é automática: ou melhor, a reaplicação é feita de forma automática até o final do contrato de locação. Não sendo necessário que você envie uma nova proposta, nem mesmo que desembolse qualquer valor.

Seu dinheiro de volta no final: Como a maioria dos títulos de capitalização, o de locação também prevê a devolução do valor referente a reserva de capitalização ao final da vigência.

Prazos de vigência dos títulos de capitalização para aluguel

Os prazos de vigência variam entre as diversas empresas de capitalização, mas as principais comercializam títulos com vigências de 12 ou 15 meses.

Neste momento, é importante que você escolha o prazo que vá coincidir com o final do contrato de locação ou aquele que fique mais próximo da data prevista.

Como e quando solicitar o resgate: o seu dinheiro de volta!

O resgate poderá ser solicitado a qualquer momento, mas é preciso cumprir um prazo mínimo, que normalmente é de 1 mês contado a partir da contratação.

Porém, tanto você, enquanto inquilino, como o proprietário precisa estar atento às condições mínimas necessárias para o resgate.

Inquilino

Seja no decorrer como ao final da vigência do título, será necessária que você tenha a autorização do proprietário e da imobiliária liberando a caução. Isso só acontecerá com o fim do contrato de locação ou caso título de capitalização seja substituído por outra garantia.

Proprietário

Só poderá resgatar o título de capitalização se comprovar que você descumpriu com uma ou mais cláusulas estabelecidas no contrato de locação, ou seja, se você ficar inadimplente com o aluguel ou encargos, deixar danos no imóvel, etc.

Se comparado com outras modalidades de caução, o título de capitalização para aluguel apresenta algumas vantagens que podem facilitar e muito a sua vida na hora de alugar um imóvel.

A possibilidade de resgatar o valor desembolsado na contratação ao final da locação pode ser um incentivo e tanto.

No entanto, é preciso levar em conta as situações em que ele não é tão vantajoso. O valor de caução exigido pelo proprietário ou imobiliária, por exemplo, pode ser um banho de água fria naqueles que não dispõem do dinheiro.

Se você não quer depender ou não tem um fiador, ou ainda não quer ter que arcar com um valor que não lhe será devolvido, essa com certeza é uma opção a ser considerada.

Antes de tomar a sua decisão final, avalie também outras modalidades de garantia locatícia.

Contate-nos certamente teremos uma solução para a sua locação.

#VempraJaeger

COMO CALCULAR O REAJUSTE DE ALUGUEL

como-calcular-o-reajuste-de-aluguel

O aumento ou reajuste de aluguel é algo que ocorre anualmente para os contratos de alugueis tanto residenciais quanto não residenciais. O reajuste acontece para que haja a compensação da inflação e dos preços dos alugueis praticados na região.

O reajuste é calculado pelo índice de inflação livremente escolhido pelo locador (quem recebe o aluguel) e pelo locatário (quem paga o aluguel) em contrato.

Os índices mais utilizados na atualidade para reajuste são:

  • INPC: Índice Nacional de Preços ao Consumidor, divulgado pelo IBGE;
  • IPC: Índice de Preços ao Consumidor, divulgado pela FIPE;
  • IGP-DI: Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna, divulgado pela Fund. Getúlio Vargas;
  • IGP-M: Índice Geral de Preços e Mercado, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas;
  • IPCA: Índice de Preços ao Consumidor Amplo, divulgado pelo IBGE.

O índice pode ser trocado, desde que o locador concorde. É preciso que essa negociação seja feita por escrito para que tenha maior segurança.

Qualquer que seja o índice, deve incidir somente uma vez ao ano (na data de aniversário de contrato), sobre valor em real, sendo proibido reajuste com base no salário mínimo. Salvo em situações que há pedido de revisional do aluguel, o que acontece por desejo do proprietário após 3 anos do contrato de locação, em que o mesmo reajusta conforme atualização de mercado.

Vale pontuar que a data de aniversário do contrato é aquela em que o contrato iniciou, não devendo ser confundida com o dia fixado para pagamento do aluguel.

Precisa alugar um imóvel comercial? Confira nossas sugestões e evite problemas.

dicas-para-alugar-um-imovel-comercial-1

1 – Saiba sua necessidade de espaço físico.

Conhecer a estrutura do negócio que você pretende montar, bem como a previsão de crescimento para os próximos anos, é essencial para escolher a melhor localização para o mesmo. Inclua na necessidade de espaço físico, o estacionamento, conforme o tipo de negócio que você vai abrir.

2 – Veja diversos possíveis pontos.

Antes de tomar sua decisão final você deverá olhar diversos pontos comerciais. Ao procurar por diversos locais você tomará conhecimento dos preços praticados na região, bem como dos imóveis disponíveis.

3 – Esgote todas as possibilidades

Esta dica é complementar a anterior e está aqui para enfatizar a necessidade de fazer uma busca minuciosa por pontos disponíveis.

Em algumas atividades e cidades, o aluguel pode ser a diferença entre ter um negócio lucrativo ou não. Então tenha paciência, procure por todos os imóveis possíveis e certamente você fará o melhor negócio possível dentro da sua região de atuação.

Por exemplo, para montar uma loja de roupas, que depende em grande parte da localização. Uma vez definido a região, procure por todos os pontos comerciais disponíveis, anotando detalhes como metragem, necessidade de reforma, preço do aluguel, prazo de contrato, estacionamento e demais exigências do proprietário do imóvel.

De posse de todas estas informações fica mais fácil escolher o melhor ponto disponível.

4 – Negocie possíveis reformas antes de locar.

Dependendo do ponto comercial e de quanto aquecido ou não está o mercado imobiliário, você pode solicitar a imobiliária que entre em contato com o proprietário do imóvel e desconte o valor da reforma inicial no aluguel do imóvel. No mínimo você pode usar o valor que você gastará para adequar o imóvel as suas necessidades como argumento na negociação do contrato.

5 – Identifique as despesas

Tenha consciência dos gastos que ficam a cargo do inquilino como aluguel, IPTU, seguro anual contra incêndio, condomínio, taxas de luz e água para evitar complicações e gastos que não estavam no planejamento.

6 – Controle o risco do contrato

Evite contrato de aluguel com prazos muito extensos, opte pelo prazo de um ano. Logicamente se não há pontos disponíveis no local e você confia na atividade em que pretende iniciar, que a mesma será duradoura, você pode optar pelo contrato maior.

Mas em caso de você precisar mudar de local ou por algum motivo o negócio não prosperar, um contrato muito prolongado pode prejudicar naquele momento.  Ao iniciar um negócio você deve manter as coisas o mais flexível para que faça o que for preciso para gerar lucro.

7 – Não escolha o imóvel pelo locador

Algumas pessoas decidem alugar um imóvel pela pessoa e não pelo imóvel. As vezes ouvimos um ou outro dizer: “Preferi locar o imóvel do Sr. João, pois já o conheço a muito tempo”. Não tenha a falsa ilusão de segurança apenas pela confiança passada pelo locador. Tudo pode acontecer. Como por exemplo, o ponto alugado receber uma proposta irrecusável de compra.

8 – Documente o estado inicial do imóvel

Contratos feitos pela imobiliária vem com a vistoria completa do imóvel, mas é sempre bom o inquilino conferir, documentando com fotos e um checklist os problemas iniciais, poderá evitar aborrecimentos e gastos adicionais quando da entrega do imóvel ao locador. Documente tudo, funcionamento de fechaduras, trincas, infiltrações, estado do piso, etc. O pequeno tempo gasto para isto vale cada minuto. Disponibilize duas vias você fica com uma e a outra repasse a imobiliária. Se você ainda tem dúvidas, venha até a Imobiliária Jaeger, pois contamos com uma equipe preparada para auxilia-lo a tomar a melhor decisão.

Quer alugar um imóvel? Não cometa esses erros!!

INTERIORS.png

 

Não ler o contrato.

Leia o contrato, por mais apressado que você estiver, leia atentamente as cláusulas e obrigações de cada um e se existem todos os dados necessários. Observe alguns dados obrigatórios que devem existir no contrato: nome do locador, locatário e fiador (se houver), descrição e endereço do imóvel locado, valor do aluguel, índice e periodicidade do reajuste, forma e local do pagamento, modalidade de garantia apresentada (fiador ou seguro fiança), discriminação dos encargos a serem pagos (condomínio, água, luz, IPTU, etc.), destinação do imóvel (residencial ou comercial), duração do contrato, cláusula de vigência em caso de alienação do imóvel, termo de vistoria (descrição do estado de conservação do imóvel) que deve ser parte integrante do imóvel.

Não ler a vistoria.

No mesmo caso do contrato, a vistoria merece a mesma ou até mais atenção que o contrato porque ali estão todos os dados do imóvel que você está alugando. Preste muita atenção ao conferir a mesma para depois não se complicar na entrega do imóvel.  Em termos gerais, a vistoria é um tipo de inspeção que é feita por um profissional específico como o vistoriador, O objetivo dessa análise é produzir um laudo sobre o estado do imóvel. Então muito cuidado na hora de alugar um imóvel para não se complicar no futuro.

Não pagar o seguro contra incêndio.

Aqui está uma grande dúvida, quanto ao seguro contra incêndio. Ele é um valor acrescido no aluguel para segurar imóveis contra sinistros do tipo. Todos os seguros residenciais devem contar com uma cobertura contra incêndio, por isso, quem contratar este tipo de seguro, seja para casa ou apartamento, contará com esta cobertura. O valor é acordado com a seguradora podendo ser feita através da imobiliária ou particularmente.

Fazer reparos sem autorização de proprietários.

Outra grande dúvida causadora de conflitos. Posso ou não fazer mudanças/reparos no imóvel sem autorização do proprietário? O imóvel locado não pode sofrer alterações sem a concordância do proprietário. Se as mudanças forem aceitas o acordo entre as partes deve ser feito por escrito. Pintura, furos, abertura de paredes, colocação de grades, alarme, e qualquer outra alteração deve ser autorizada pelo locador. Caso contrário o inquilino está sujeito a receber multas e as punições previstas no contrato.
Por exemplo, em algumas situações é necessário furar a parede para a colocação de armários, o inquilino pode fazer as furações, mas é preciso bom senso para não danificar o imóvel e na hora da entrega os mesmos devem estar tampados conforme a vistoria. Se as furações necessárias forem em ambientes com azulejo, como banheiro e cozinha, o inquilino terá que arcar com as despesas da reposição das peças de azulejo danificadas.

Não cumprir responsabilidades de pagamento de aluguel e taxas.

O maior dos problemas é a inadimplência, o não pagamento do aluguel e taxas. Uma dica importante para esse problema não existir é primeiramente verificar seu orçamento e procurar um imóvel que se adeque corretamente ao seu bolso, para mais tarde não ocorrer o problema de não conseguir pagar as obrigações do aluguel juntamente com condomínio e IPTU (se houver), não agir por impulso na hora de escolher o imóvel, pesquisar bem preços e ver o que melhor se adequa.

Venha até a Imobiliária Jaeger, aqui temos uma equipe de profissionais qualificados e prontos para lhe ajudar. Procure-nos. #VemPraJaeger

 

8 DICAS PARA CRIAR SEU PET EM APARTAMENTO

PET SACADA        A criação de pets em apartamentos requer cuidados especiais e alternativas para que exista uma rotina repleta de exercícios e brincadeiras que promovam o desenvolvimento saudável do seu animal. Confira as nossas dicas!

1- Local para necessidades

Deve ser estabelecido um local para que o animal possa fazer suas necessidades. Recomenda-se que seja em um lugar que não incomode as pessoas da casa, como área de serviço, varanda ou banheiro dos fundos.  Podem ser utilizadas toalhas higiênicas especiais que ajudam a reduzir os odores e que podem ser trocadas frequentemente (no caso dos cães) e caixas higiênicas com areia (no caso dos gatos).

2- Não pode segurar o xixi

No caso dos cães é comum eles fazerem suas necessidades fora do apartamento. Isso faz com que eles dependam, exclusivamente, do proprietário para urinar e defecar. Alguns acabam desenvolvendo infecções de urina por “segurarem” o xixi por muito tempo.

Tendo o local correto para fazer o número “um” ou o “dois”, o cachorro poderá fazer suas necessidades no momento em que estiver com vontade da maneira mais natural possível.

3- Local para dormir

Ofereça casinhas, caminhas e colchões bem higienizados para os pets. A limpeza deve ser feita periodicamente, pois cães e gatos tem contato íntimo com seus proprietários e podem transmitir doenças. Não se esqueça de usar vermífugos, dar banho, fazer a tosa e ter um controle de pulgas e carrapatos em seu pet.

4- Escolha o animal certo

Os gatos, como é de se esperar, adaptam-se melhor aos espaços pequenos. Mas precisam de atenção, cuidados com higiene e um local para tomar sol. Cachorros de porte grande e que geralmente são cheios de energia e são difíceis de se adaptar. Eles também precisam de tempo para o banho de sol e, claro, passear e correr.

5- Cães precisam de outros cães

Os cachorros precisam sair do apartamento para ter contato com outros ambientes, outros cheiros e outros cães. Esses estímulos são essenciais para eles serem saudáveis no corpo e na mente.

6-  Cuidado com o estresse

Os animais que vivem em apartamentos são mais suscetíveis ao estresse. Por se sentirem presos naquele espaço e sozinhos, eles podem apresentar certos distúrbios:

– A imunidade pode baixar e causar doenças;

– O pet pode desenvolver comportamentos destrutivos: comer objetos e roupas, por exemplo;

– Em certos casos podem apresentar depressão e hábitos autodestrutivos: lambedura de patas e redução de apetite.

7-  Cuidado com o sedentarismo

A falta de espaço e/ou estímulo tornam os animais sedentários, o que pode contribuir para obesidade e doenças originárias do sobrepeso como distúrbios cardiovasculares.

8- Exercícios físicos

O ideal é passear diariamente e estimular o animal a praticar exercícios físicos. Correr, nadar, brincar… Se o pet se divertir está valendo. Além de espantarem as ameaças do estresse e do sedentarismo, ele vai apresentar uma aparência mais saudável e um comportamento mais ativo.

Fonte: http://blog.farmina.com.br/como-criar-seu-pet-em-apartamentos