Como regularizar um imóvel sem matrícula?

Dicas para regularizar seu imóvel- (1) Continuar lendo Como regularizar um imóvel sem matrícula?

Perspectivas do mercado imobiliário para 2017

business-modelcanvas1

Já conseguimos vislumbrar 2017 no horizonte. Falta pouco para a tradicional contagem regressiva, os brindes e a renovação de sonhos e planos que ficaram pelo caminho em 2016. Para muitos, é hora finalmente de planejar a aquisição do seu imóvel, seja ele comercial ou residencial.

Mas o que esperar desse novo ano? O que ele poderá trazer de oportunidades e ameaças? Sabemos que a confiança de todos melhora demais nessa época. Mas ela somente não é suficiente para concretizar a aquisição de um imóvel. É preciso ficar de olho em muitos outros fatores.

A seguir, vamos listá-los e considerar quais irão influenciar de forma positiva o setor no próximo ano:

Inflação em desaceleração: A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016. Para 2017, a previsão do mercado financeiro para a inflação é de 5,07%, conforme divulgação do Banco Central no último Relatório Trimestral de Inflação, documento que possui as expectativas para a economia.

No entanto, o Banco Central comunicou que tentará conseguir atingir meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.

Redução da taxa de juros: A taxa de juros, quando mantida alta, onera o crédito e colabora pra inibir o consumo das famílias e a injeção de capital das empresas, elementos mandatórios para a recuperação do crescimento da economia.

Porém, ainda de acordo com o mercado financeiro, para 2017, a estimativa da taxa de juros é de 11%, o que presume uma queda maior no próximo ano.

Produto Interno Bruto (PIB): Outro fator que contribui para a recuperação do mercado imobiliário é o crescimento do PIB, posto que desempenha o papel de medir o comportamento da economia brasileira, além de ser a junção de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro.

Nesse sentido, a perspectiva é favorável à indústria imobiliária, pois o Banco Central enxerga um cenário dessemelhante para 2017 e mais satisfatório do que o vivido pelos brasileiros em 2016. A instituição anunciou que o PIB deve crescer 1,3% em 2017.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também vê crescimento do PIB em 2017. Segundo Alejandro Werner, diretor do hemisfério ocidental do órgão, é esperado que a economia brasileira atinja seu ponto mais baixo este ano para ter um crescimento positivo no próximo.

O FMI estimou um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nula feita nos dois últimos levantamentos do órgão.

Outros indicadores: Ademais, de acordo com o BC, a projeção é de que outros indicadores voltem a crescer. Os investimentos devem chegar ao fim de 2017 com uma alta de 4% ante uma queda de 8,7% em 2016.

No consumo das famílias, espera-se que mais números positivos sejam apontados: a organização prevê uma alta de 0,8% no próximo ano.

Benefícios provenientes de uma economia fortalecida: Com o desemprego e a inflação em alta, o consumidor visa adiar o sonho da casa própria, já que ele enfrenta mais dificuldades para assumir dívidas e fechar novos negócios.

Ainda, perante um cenário de retração econômica, os bancos se tornam mais criteriosos para conceder empréstimos.

No entanto, para 2017, a previsão é de que haja redução de juros, o que faz com que a economia fique mais aquecida.

Com isso, as empresas podem colher alguns benefícios. São eles:

Melhora na confiança e renda do consumidor: Com a melhora das perspectivas sobre a inflação, a confiança e a renda dos brasileiros tende a aumentar.

Isso porque consumidores confiantes, com possibilidades positivas em relação ao emprego e, consequentemente, à condição financeira, compram mais, o que ajuda no aquecimento da atividade econômica.

Dessa forma, mesmo bens maiores, como automóveis e imóveis, que, no momento atual – de acordo com o INEC (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor) – as pessoas estão mais cautelosas para adquirir, apresentarão excelente performance de vendas.

Baixa inadimplência: A melhora da dinâmica da economia também está ligada à queda da inadimplência.

Esse é um fator preocupante, visto que indica maior risco de que parte das vendas efetuadas e/ou serviços contratados não sejam recebidos, o que gera uma reação em cadeia.

Vamos supor que um consumidor tenha adquirido um imóvel e não tenha conseguido pagar. Dessa forma, ele tenta fazer um acordo para devolver o imóvel para a construtora. Essa, por sua vez, pode ter que cortar funcionários, o que tem reflexo direto no aumento do desemprego.

A melhora da inadimplência é um dos fatores determinantes para que o mercado imobiliário volte a crescer.

Aumento da empregabilidade: O aumento da empregabilidade também é um aspecto importante e influencia diversos setores da economia.

Em 2017, economistas preveem que o desemprego deve ceder, o que também influenciará positivamente o mercado imobiliário.

Crédito imobiliário mais barato: Com uma economia mais estável, o mercado imobiliário é influenciado positivamente, já que, assim, os consumidores voltam, também, a ter crédito disponível.

Afinal, em um ciclo econômico crescente, há crédito imobiliário mais barato e uma demanda em alta.

Quem atua no setor sabe que a falta de crédito para financiamento de imóvel é uma condição necessária para o avanço do mercado imobiliário no Brasil.

Baixo crédito imobiliário em 2015 e 2016: Entre 2015 e 2016, o mercado imobiliário brasileiro viveu um momento com muitas especulações e dúvidas.

Em 2015, o resultado desfavorável do setor foi puxado pelo enfraquecimento na economia nacional e incertezas políticas. Em virtude disso, a taxa de juros era alta e o crédito mais escasso.

Por esse motivo, muitas incorporadoras não lançaram novos empreendimentos, concentrando-se somente na venda das unidades em estoque.

Retomada do crescimento do mercado imobiliário em 2017: Os sinais de uma melhora para o mercado imobiliário virão em 2017 com a desaceleração da inflação e a queda na taxa básica de juros no país, fatores que vão favorecer a oferta de crédito imobiliário para o consumidor.

O setor depende de como está o cenário no país, e já é possível prever uma melhora econômica e boas expectativas para o próximo ano.

Com a retomada do crescimento econômico e os ajustes que devem ser feitos no cenário político, a tendência é que o mercado imobiliário apresente boa melhora em 2017.

Quer conversar mais sobre algum desses assuntos? Venha até a Imobiliária Jaeger falar com um dos nossos consultores, sempre prontos a lhe auxiliar na sua tomada de decisão.

#VemPraJaeger

Fonte: http://exame.abril.com.br/negocios/dino/mercado-imobiliario-perspectivas-para-2017-shtml/

 

Aproveite as oportunidades e tenha um retorno excepcional do seu investimento

 

show-me

Para quem está interessado e atento, há diversas oportunidades de investimento aparecendo o tempo todo de forma cíclica no mercado, e para essas pessoas basta escolher qual a melhor opção para que o dinheiro seja aplicado de forma consciente. Mas essa visão não é compartilhada por todos, sendo que muitas pessoas que pretendem investir simplesmente não sabem como identificar uma boa oportunidade, mesmo que ela esteja diante do seu nariz.

Esse faro para boas aplicações vem com o tempo, e apenas o conhecimento e a experiência podem fazer com que uma pessoa aproveite uma boa oportunidade, e da mesma forma deixe passar outra que apenas parecia favorável, mas poderia prejudicar e muito o patrimônio. Algumas dessas oportunidades aparecem de forma clara, e, para aquele que a identificou com antecedência, ela não tem chances de dar errado.

Muitas vezes essa oportunidade se desenrola lentamente, por anos e anos, até amadurecer e se tornar a galinha dos ovos de ouro para o investidor. Por isso a paciência também conta, já que ninguém constrói o seu patrimônio da noite para o dia.

Segurança é essencial

A rentabilidade de uma aplicação ou de uma oportunidade não pode ser a prioridade para um investidor, por mais que isso pareça contraditório. O que o investidor inteligente faz em primeiro lugar é analisar os riscos daquela operação, antes de observar mais a fundo a sua rentabilidade. Não é possível fazer o seu patrimônio crescer quando ele não existe mais, ou quando restam apenas migalhas, e por isso a prioridade do bom investidor é manter o seu patrimônio.

Isso não quer dizer que o investidor não deve arriscar ou não deve seguir o seu faro para aplicações e investimentos excepcionais, que emergem como ilhas após uma severa tempestade. Isso quer dizer apenas que o investidor deve manter essa necessidade de segurança o tempo todo consigo, e ter a certeza de que a segurança do seu patrimônio deve sempre estar em primeiro lugar.

Se o investimento incluir uma parcela significativa do seu patrimônio e não possuir a segurança necessária, então essa não é uma boa oportunidade. Arriscar uma quantia razoável em um investimento com excelentes promessas é o ideal, não estacionando na segurança nem se jogando ao vento com tudo o que você tem.

Onde Investir

O ideal para um bom investidor conseguir excelentes rendimentos é a diversificação do seu investimento. Mas não priorize a quantidade pela qualidade, e apenas agarre uma boa oportunidade de criar essa diversidade se ela for mesmo excelente. No caso do investimento em ações, por exemplo, há diversos períodos em que as empresas passam por algumas dificuldades temporárias, e as ações atingem o nível de segurança ou muitas vezes ficam abaixo desse valor.

Tratando-se de uma grande empresa com um reconhecimento bom pelo público a que se destina, essa seria uma excelente de oportunidade para aplicar o se dinheiro por um preço mais do que justo, e com lucratividade praticamente certa. Outra oportunidade está em determinadas regiões imobiliárias que possuem desenvolvimento certo, dependendo apenas do tempo para os imóveis da região duplicarem de preço. É o caso, por exemplo, de regiões portuárias em tempos de pré-sal, que crescem vertiginosamente e aumentam e muito a população local.

Essa também seria uma boa oportunidade, para investir parte do seu capital de forma segura e não permitir que qualquer tipo de inconveniente prejudique o seu patrimônio. Muitas vezes essas oportunidades não dependem apenas de números e de especulações, e o olhar treinado do investidor apenas saberá identificar aquela que outros não viram, ou aquela que ainda é uma boa oportunidade, após algum tempo de desgaste. No início dos seus investimentos, não deixe de consultar alguém com experiência antes de investir o que você tem em uma oportunidade, já que apenas uma pequena parcela das que passam na sua janela vale à pena abraçar.

Se você precisa de auxílio para planejar os seus investimentos, venha até a Imobiliária Jaeger, que possui uma equipe especializada de consultores, sempre prontos a lhe orientar de forma profissional, segura e gratuita.

#vemprajaeger

Fonte: http://www.investimentosfinanceiros.com.br/oportunidades-de-investimento/

Caixa amplia linhas de crédito

imovel-casa-propria-financiamento-imovel-na-planta-planta-planta-de-imovel-projeto-de-imovel-corretor-de-imovel-1398463637441_956x500.jpg

Após um período de suspensão por conta da escassez de recursos, a linha de financiamento de imóveis pró-cotista, a mais barata do mercado para imóveis com VALOR MAIOR, voltou a ser oferecida a clientes pela Caixa.

De acordo com informações do próprio banco, após o anúncio do conselho curador do FGTS de que a linha teria recursos adicionais de 3,6 bilhões de reais, sendo 1,7 bilhão para financiamento de imóveis de 225 mil reais a 500 mil reais, o crédito está disponível para os clientes desde o mês de agosto de 2016.

Em tempos de juros altos, a pró-cotista é uma das linhas mais acessíveis do mercado ao cobrar taxas que variam de 7,85% a 8,85% ao ano, dependendo do relacionamento do cliente com o banco. Em outras linhas de crédito imobiliário, a taxa cobrada pelo banco sobe para mais de 11% ao ano, no caso de clientes que não tenham relacionamento prévio com a Caixa.

Além de juros mais baixos, o grande atrativo da linha é o percentual do valor do imóvel que pode ser financiado — que chega a 80% para imóveis usados e 85% para imóveis novos.

Além do programa Minha Casa Minha Vida a linha pró-cotista é a única alternativa para trabalhadores privados que queiram financiar imóveis usados na Caixa, mas não têm capacidade de arcar com entrada equivalente a 30% do valor do imóvel.

Isso porque recentemente a Caixa voltou a emprestar no máximo 70% do valor da unidade para aquisição de imóveis usados que estejam enquadrados no SFH (Sistema Financeiro de Habitação). A condição se iguala apenas para servidores públicos, que também podem financiar até 80% do valor do imóvel em outras linhas de crédito.

Não há restrição com relação à renda familiar dos compradores.

Para a região Sul, o valor do imóvel está limitado a 650 mil reais.

Para ter acesso à linha de crédito pró-cotista FGTS, é necessário ter contribuído ao FGTS por mais de três anos, consecutivos ou não, na mesma empresa ou em empresas diferentes.

Caso se enquadre nessa exigência, a conta vinculada ao fundo deve estar ativa, ou seja, o trabalhador deve estar empregado e realizar atualmente contribuições mensais ao FGTS; ou ter conta inativa, mas com saldo equivalente a 10% do valor do imóvel, caso esteja desempregado ou não contribua atualmente para o FGTS por estar trabalhando sob outro regime de trabalho, por exemplo.

Mas o comprador não pode ter outro financiamento de imóvel e nem ser proprietário de outra unidade residencial urbana, concluída ou em construção, na mesma cidade, em municípios limítrofes ou na região metropolitana da cidade onde vive. Preenchidos os requisitos, o uso do saldo do FGTS no financiamento é opcional.

Como os recursos para a linha já secaram e foram suspensos anteriormente por conta da grande procura, quem quer financiar um imóvel com juros menores deve ficar atento, já que os recursos continuam limitados e podem ser suspensos novamente.