6 coisas que você precisa saber sobre Herança

heranca_-um-assunto-dificil-mas-que-precisamos-abordar-1

Este é um assunto sobre o qual praticamente ninguém gosta de falar, mas sua importância é enorme, pois é justamente nos momentos de maior sensibilidade que uma família precisa resolver os documentos da herança. Existem várias questões a serem levadas em consideração sobre o tema: quem são os herdeiros? Como deixar um testamento? Sobre quais bens eu posso dispor livremente no testamento? Preparamos abaixo algumas questões que ocorrem com maior frequência. Mas lembre-se: essas questões devem ter sempre o acompanhamento profissional do seu advogado.

1)   Sucessão de bens

Primeiramente, vamos explicar sobre a sucessão de bens, que é a transmissão de bens móveis ou imóveis, após a constatação da morte ou ausência (desaparecimento) de uma pessoa. A partir desse momento, diversos efeitos jurídicos são gerados, pois a pessoa que morreu pode ter dívidas a pagar, créditos a receber, patrimônio a transmitir, entre outras questões. Normalmente, estas questões são resolvidas judicialmente, principalmente quando há menores de idade envolvidos. Se houver acordo entre herdeiros e nenhum interesse de menor de idade, é possível fazer esse mesmo procedimento de partilha nos cartórios.

2) Sem testamento

Não havendo testamento, a Lei determina quais serão os herdeiros naturais da pessoa que morreu. No Brasil, o cônjuge e os descendentes (filhos) são os herdeiros naturais. Se não houver filhos, mas netos, eles também herdam a parte que caberia a seus pais. Se não houver descendentes, herdam o cônjuge e os ascendentes (pais). No caso de não haver pais, mas avôs, esses herdam a parte que caberia aos pais. Na hipótese de indivíduos que morrem sem cônjuge, herdam descendentes e ascendentes, nessa ordem. Na falta dessas pessoas, herdam os irmãos e, na falta desses, parentes até o 4º grau.

3) Partilha da herança

A partilha é complexa porque depende do regime de bens, de haver casamento ou união estável, filhos em comum, bens só do falecido ou de ambos, etc.

Geralmente é feita por cabeça, de acordo com as pessoas aptas a herdar. Se só existirem filhos, cada um deles receberá a mesma parte do patrimônio. Se houver cônjuge, ele normalmente tem direito à metade do patrimônio do casal, a depender do regime patrimonial do casamento (comunhão total ou parcial de bens, separação total etc.).

O cônjuge que sobrevive tem direito a ficar com a casa em que morava com o falecido. Se o valor da casa exceder a parcela a que o cônjuge tem direito sobre a herança, será necessário pagar o excedente aos demais herdeiros.

4) Como funciona o testamento

Se houver herdeiros necessários, a pessoa só poderá dispor uma parcela de seu patrimônio em testamento. A outra parcela, chamada “legítima”, deverá ser repartida, necessariamente, entre os herdeiros naturais (descendentes, ascendentes e cônjuge). Só será possível afastar essas pessoas do recebimento da herança em casos bastante específicos, como na deserdação por indignidade.

Se houver apenas um cônjuge como herdeiro, a legítima recebe a metade da herança. Ou seja, se o patrimônio total do indivíduo for de R$ 500.000, apenas R$ 250.000 podem ser designados de acordo com a vontade da pessoa que morre. Os outros R$ 250.000 cabem, necessariamente, ao cônjuge. O mesmo ocorre quando não há cônjuge e o falecido deixa apenas um filho.

Se houver filhos e cônjuge, a legítima é de dois terços da herança. Ou seja, sobra um terço da herança para dispor livremente. O mesmo ocorre quando há somente filhos, caso em que a legítima será de dois terços e a quota disponível será de um terço.

5) Como fazer um testamento

Atualmente, as formas de testamento mais comuns são: o público (feito em cartório), o cerrado (literalmente, selado até o momento de sua abertura) e o particular (que pode ser escrito de próprio punho ou mesmo em computador, desde que com a assinatura de três testemunhas). Da mesma forma como foram feitos os testamentos, eles podem ser desfeitos (revogados). Desde que a pessoa esteja em pleno exercício de suas capacidades mentais, é possível mudar de ideia acerca da parcela disponível de seus bens, nomeando novos herdeiros e realocando a destinação de seus bens.

6) Dívidas e créditos do falecido

Dívidas e créditos devem ser contabilizados no momento de inventariar o patrimônio deixado pelo falecido. Somam-se todos os bens, o que inclui créditos e outras aplicações financeiras. Desse valor, subtraem-se todas as dívidas deixadas. Se essa quantia exceder o valor dos bens, não há como cobrar dos herdeiros o excesso. As pessoas somente herdam o valor que excede as dívidas do falecido, não seus débitos.

Por isso, um procedimento de inventário e partilha de bens deve levar em consideração todos os bens, créditos, débitos e finanças do falecido, para que só seja realizada uma partilha no final do procedimento. Durante esse processo, um dos herdeiros é chamado para administrar estes bens. Se não houver herdeiros, o juiz pode nomear um administrador para eles.

Se você ainda tem dúvidas, venha até a Imobiliária Jaeger. Nós podemos indicar advogados que são nossos parceiros profissionais, capacitados para lhe auxiliar.

#VemPraJaeger

Fonte: https://financaspessoais.organizze.com.br/tudo-o-que-voce-procurava-sobre-heranca/

 

Anúncios

Aproveite as oportunidades e tenha um retorno excepcional do seu investimento

 

show-me

Para quem está interessado e atento, há diversas oportunidades de investimento aparecendo o tempo todo de forma cíclica no mercado, e para essas pessoas basta escolher qual a melhor opção para que o dinheiro seja aplicado de forma consciente. Mas essa visão não é compartilhada por todos, sendo que muitas pessoas que pretendem investir simplesmente não sabem como identificar uma boa oportunidade, mesmo que ela esteja diante do seu nariz.

Esse faro para boas aplicações vem com o tempo, e apenas o conhecimento e a experiência podem fazer com que uma pessoa aproveite uma boa oportunidade, e da mesma forma deixe passar outra que apenas parecia favorável, mas poderia prejudicar e muito o patrimônio. Algumas dessas oportunidades aparecem de forma clara, e, para aquele que a identificou com antecedência, ela não tem chances de dar errado.

Muitas vezes essa oportunidade se desenrola lentamente, por anos e anos, até amadurecer e se tornar a galinha dos ovos de ouro para o investidor. Por isso a paciência também conta, já que ninguém constrói o seu patrimônio da noite para o dia.

Segurança é essencial

A rentabilidade de uma aplicação ou de uma oportunidade não pode ser a prioridade para um investidor, por mais que isso pareça contraditório. O que o investidor inteligente faz em primeiro lugar é analisar os riscos daquela operação, antes de observar mais a fundo a sua rentabilidade. Não é possível fazer o seu patrimônio crescer quando ele não existe mais, ou quando restam apenas migalhas, e por isso a prioridade do bom investidor é manter o seu patrimônio.

Isso não quer dizer que o investidor não deve arriscar ou não deve seguir o seu faro para aplicações e investimentos excepcionais, que emergem como ilhas após uma severa tempestade. Isso quer dizer apenas que o investidor deve manter essa necessidade de segurança o tempo todo consigo, e ter a certeza de que a segurança do seu patrimônio deve sempre estar em primeiro lugar.

Se o investimento incluir uma parcela significativa do seu patrimônio e não possuir a segurança necessária, então essa não é uma boa oportunidade. Arriscar uma quantia razoável em um investimento com excelentes promessas é o ideal, não estacionando na segurança nem se jogando ao vento com tudo o que você tem.

Onde Investir

O ideal para um bom investidor conseguir excelentes rendimentos é a diversificação do seu investimento. Mas não priorize a quantidade pela qualidade, e apenas agarre uma boa oportunidade de criar essa diversidade se ela for mesmo excelente. No caso do investimento em ações, por exemplo, há diversos períodos em que as empresas passam por algumas dificuldades temporárias, e as ações atingem o nível de segurança ou muitas vezes ficam abaixo desse valor.

Tratando-se de uma grande empresa com um reconhecimento bom pelo público a que se destina, essa seria uma excelente de oportunidade para aplicar o se dinheiro por um preço mais do que justo, e com lucratividade praticamente certa. Outra oportunidade está em determinadas regiões imobiliárias que possuem desenvolvimento certo, dependendo apenas do tempo para os imóveis da região duplicarem de preço. É o caso, por exemplo, de regiões portuárias em tempos de pré-sal, que crescem vertiginosamente e aumentam e muito a população local.

Essa também seria uma boa oportunidade, para investir parte do seu capital de forma segura e não permitir que qualquer tipo de inconveniente prejudique o seu patrimônio. Muitas vezes essas oportunidades não dependem apenas de números e de especulações, e o olhar treinado do investidor apenas saberá identificar aquela que outros não viram, ou aquela que ainda é uma boa oportunidade, após algum tempo de desgaste. No início dos seus investimentos, não deixe de consultar alguém com experiência antes de investir o que você tem em uma oportunidade, já que apenas uma pequena parcela das que passam na sua janela vale à pena abraçar.

Se você precisa de auxílio para planejar os seus investimentos, venha até a Imobiliária Jaeger, que possui uma equipe especializada de consultores, sempre prontos a lhe orientar de forma profissional, segura e gratuita.

#vemprajaeger

Fonte: http://www.investimentosfinanceiros.com.br/oportunidades-de-investimento/

Prestador De Serviços De Condomínio

foto-oficial

Um condomínio precisa de muitos cuidados e, normalmente, o síndico não consegue suprir todas as necessidades e atender as demandas dos condôminos. Na maioria das vezes, é necessária a contratação de uma (ou mais) prestadora de serviços.

É importante discutir com os moradores o motivo e a necessidade da contratação de serviços terceirizados para que eles saibam da importância desta contratação para a melhora da qualidade de vida.

Existem variados tipos de mão de obra terceirizada em condomínios, tanto os residências quanto os comerciais, dentre elas: zeladoria, portaria, jardinagem, vigilância armada, consertos e serviços gerais de manutenção.

Verifique o que deve conter no contrato de prestação de serviços:

  • Condições de pagamento;
  • O prazo e condições da garantia dos serviços e produtos envolvidos;
  • Um memorial descritivo do serviço, ou seja, o que será feito, como será feito e quem fará;
  • Seguro contra acidentes de trabalho;
  • Multas no caso de descumprimento de quaisquer uma das cláusulas.

 

Para evitar problemas futuros, procure por prestadores de serviços que possuam referências, que sejam sérios e comprometidos, verifique contratos e exija garantias do serviços prestados.

Um pai pode doar um imóvel a um filho sem dar nada a outro?

2013-08-08-educacao-financeira-filhos

herança é apenas uma expectativa de direito dos herdeiros, pois não existe herança de pessoa viva. Neste caso, se o pai vendeu o imóvel, o dinheiro apurado pertence exclusivamente a ele.

Para que os filhos tenham direito sobre algum bem ou valor recebido pelo seu pai, é necessário que ele faça uma doação.

Caso a doação seja feita, ele deve respeitar o regime de bens do casamento ou da união estável e todos os herdeiros deverão ser beneficiados na mesma proporção, para que ela não seja invalidada posteriormente.

Segundo o Código Civil, metade do patrimônio de uma pessoa pode ser transmitida por testamento a quem o autor da herança desejar, mas os outros 50% devem ser repartidos igualmente entre os herdeiros necessários (que podem ser os filhos, os pais e o cônjuge ou companheiro).

Supondo que um pai tenha dois filhos e não seja casado, nem viva em uma união estável, e o imóvel seja doado a apenas um deles, o outro filho pode contestar a doação depois que o pai falecer caso ele não tenha obtido uma parcela do patrimônio compatível com o que é exigido por lei (que no caso seria o mínimo de 25% do patrimônio).

Quando o bem é doado em vida, no entanto, por mais que a doação seja contestada, ela pode não ser anulada porque só é possível concluir se um dos herdeiros ficou com parte do patrimônio inferior ao que é permitido por lei quando o autor da doação falece e todos os bens são repartidos.

É por isso que no caso da contestação de uma doação feita em vida é aberto um processo judicial para que a situação seja analisada com mais profundidade.

Além disso, se a doação feita em vida beneficiar um terceiro, sem que nenhum dos herdeiros receba parte do patrimônio, não pode ser feita qualquer contestação, uma vez que nenhum dos herdeiros foi beneficiado em detrimento de outro.

Ou seja, se o seu pai doar a casa a um amigo, nenhum de seus herdeiros pode contestar a doação.

Mas lembre-se, tanto sobre a doação como sobre a herança incide o imposto chamado de ITCMD, cujo valor da alíquota gira em torno de 5% (cinco por cento) sobre o valor do bem, dependendo de cada estado.

Se você ainda tem dúvidas, entre em contato com a Imobiliária Jaeger e converse com um dos nossos consultores.

#vemprajaeger

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/um-pai-pode-doar-um-imovel-a-um-filho-sem-dar-nada-a-outro

PLANEJE AGORA A COMPRA DO SEU IMÓVEL

images

No processo de compra de um imóvel é indispensável o planejamento. Um bom planejamento evita dores de cabeças futuras e ajuda a tornar o sonho da nova casa em uma realidade mais próxima.

O Planejamento Financeiro

Avalie a sua situação financeira antes de sair à procura por um imóvel. Veja todas as economias que possui, e veja quanto desse valor poderá ser usado na compra.

Uma das fontes de economia mais usadas para compra de imóveis é o FGTS. Em muitos casos ele pode ser usado.

Sempre financie o menor valor possível e considere comprometer no máximo 25% da renda família com as parcelas.

Outra dica para seu planejamento financeiro é avaliar o momento: se precisa do imóvel no curto prazo ou se pode esperar. Se puder esperar e comprar um imóvel na planta, você conseguirá ter um fôlego maior para juntar suas economias e consequentemente terá um valor maior para dar de entrada.

Atenção aos custos extras

Na hora de avaliar a compra de um imóvel, há outros custos que também devem ser adicionados à conta, e que muitas pessoas esquecem na hora de fazer os cálculos. Se você estiver procurando um apartamento, ou uma casa em um condomínio fechado, lembre-se de verificar o valor do condomínio para ver se ele cabe em seu orçamento mensal.

O ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) é usualmente pago pelo comprador e representa um custo adicional de 2% sobre o valor do imóvel.

Definindo as prioridades

Faça uma lista com as características que você está procurando em um imóvel e as ordene de acordo com a prioridade.

Na hora de listar as características prioritárias, não se prenda apenas aos pontos internos do imóvel, mas avalie também a sua necessidade em relação à região em que ele se encontra. Possui escola no bairro? Supermercado por perto? Quanto tempo do shopping? É uma região de fácil acesso utilizando transporte público? Muitas vezes as características da região são até mais importantes que as do próprio imóvel, portanto não as deixe de fora.

Pense no futuro

Pense além! É importante pensar em como você estará daqui a dez anos, considerando os planos que tem para a sua vida, e analisar se o imóvel que você está adquirindo tem capacidade para suportar as eventuais mudanças.

Analisando de forma geral, é importante começar seu planejamento financeiro o quanto antes, isso te permitirá ter um valor maior para utilizar como entrada e pagar menos juros no financiamento, assim você realiza o sonho da nova casa sem dificuldades financeiras.

Entre em contato com a Imobiliária Jaeger e converse com um de nossos consultores imobiliários que estão à disposição para auxiliá-lo.

Sol da tarde ou da manhã? Como escolher a posição do seu apartamento

Um apartamento com uma boa iluminação solar pode custar até 10% a mais, devido a menor incidência de problemas estruturais, por exemplo.

agora

Vários aspectos influenciam na hora de comprar ou alugar um apartamento. Além do custo, localização e metragem, a incidência de sol também faz toda a diferença. Tanto que em alguns lugares os imóveis que apresentam boa iluminação solar chegam a ser até 10% mais caros.

São vários os benefícios de ter um apartamento que recebe sol de forma adequada. Entre eles estão a prevenção no aparecimento de mofo e umidade, além de garantir conforto térmico.

Para saber se o apartamento em que está de olho terá incidência de raios solares na medida certa é preciso levar em conta a localização dele em relação ao nascer e ao pôr do sol. Aqueles voltados para a face norte terão iluminação garantida, praticamente o dia todo e no ano inteiro.

O posicionamento

No hemisfério sul do planeta, o norte recebe maior incidência de raios solares se comparado ao leste, oeste e sul. Por isso os apartamentos que apontam para essa direção são mais valorizados. No entanto, não é tão simples quanto parece. É necessário avaliar onde você está. Afinal em uma cidade de temperaturas altas não é interessante ter sol o dia todo deixando o ambiente ainda mais quente.

Portanto quanto mais ao sul do Brasil você estiver, o melhor é optar pela face norte.  A vantagem dessa direção pode ser comprovada principalmente durante o inverno. É nessa época que os raios solares incidem em um ângulo mais agudo em relação à superfície da Terra e assim acabam garantindo que o sol ilumine o imóvel quase o dia todo.

Pela manhã o sol é menos intenso, o que garante uma sensação térmica mais confortável no decorrer do dia, além de arejar o ambiente. À tarde, a temperatura aumenta deixando os cômodos mais abafados, principalmente no verão.

Atenção. Não adianta nada escolher um imóvel voltado para a face norte se em frente ao prédio existe uma grande árvore ou um outro empreendimento que impede o sol de chegar até o apartamento. Por isso fique alerta a todos os detalhes quando for fazer a visita.

Os cômodos

Salas e quartos são geralmente os ambientes pelos quais as pessoas mais transitam dentro de casa e onde permanecem por mais tempo.  Em alguns casos, esses espaços ainda contam com sacadas e terraços que aumentam a área de incidência de raios solares dentro dos cômodos.

Por isso, saber o horário em que o sol incidirá sobre esses ambientes é tão importante. A preferência é de que recebam os raios solares pela manhã, o que acontece quando esses cômodos estão voltados para a face leste ou norte, garantindo luminosidade e calor na medida certa.

No caso da cozinha, dos banheiros e da lavanderia não é necessário tanta incidência de sol.  Afinal são ambientes pelos quais as pessoas geralmente permanecem por pouco tempo, enquanto estão cozinhando ou colocando a roupa para lavar, por exemplo.

Além do mais alguns eletrodomésticos presentes na cozinha não devem ser expostos ao sol como geladeira, micro-ondas e máquina de lavar louça. Os raios solares danificam esses aparelhos.

A falta e o excesso de sol

É realmente importante prestar atenção nos horários em que o seu apartamento receberá sol. Locais muito escuros, úmidos e frios podem influenciar até mesmo na saúde dos moradores.

Quanto menor a incidência de luz maior é o aparecimento de fungos e ácaros que podem contribuir para o aparecimento de alergias e problemas respiratórios. Mas não é só a falta de sol que pode causar danos. O excesso também traz transtornos.

Os ambientes que recebem sol por muito tempo e em grande intensidade podem apresentar problemas como nos pisos e na pintura das paredes que ficam desbotados. Reduz ainda a vida útil das cortinas, persianas e tapetes, além de aumentar consideravelmente o consumo de energia por conta do ar condicionado nesses ambientes.

Se não houver como conter a grande incidência de raios solares no ambiente saiba que existem algumas soluções. Uma delas é utilizar cortinas persianas ou telas solares. Outra medida seriam os vidros especiais que permitem a iluminação, mas vetam o calor. Na presença de terraços a dica ainda é investir em vegetação como uma maneira de refrescar o ambiente.

Por fim, a orientação solar do apartamento deve ser um dos principais itens a serem observados para que a escolha seja certeira. Visite o seu apartamento dos sonhos em mais de um horário se possível, como de manhã e no fim da tarde para evitar surpresas depois da mudança.

Fonte: http://www.vivaocondominio.com.br/noticias/mercadoimobiliario/sol-da-tarde-ou-manha-como-escolher-a-posicao-do-seu-apartamento

DICAS PARA AMPLIAR ESPAÇOS PEQUENOS.

Para decorar espaços pequenos, cada vez mais comuns nos dias atuais, podem ser utilizados alguns truques que geram sensação de amplitude.

imagem blog

– APROVEITE BEM AS JANELAS
Janelas e aberturas podem ser uma importante ferramenta para ampliar espaços, pois elas chamam a atenção para o lado externo, tornando-o parte do ambiente. Valorize este efeito deixando as molduras e caixilhos da mesma cor que a parede, eliminando assim contrastes que separem a vista da janela do restante do ambiente. Quanto menor forem os caixilhos, melhor. Para privacidade, instale cortinas ou persianas leves que possam ser totalmente abertas, e instale-as próximas ao teto, para que a janela pareça maior.

– UTILIZE MOBILIÁRIO MULTIFUNCIONAL
Móveis que se transformam são uma alternativa extremamente eficiente para racionalizar o uso dos espaços, já que utilizam uma mesma área para abrigar diferentes funções, dependendo do momento. Da mesma maneira, móveis soltos que podem ser utilizados com diferentes funções ou retirados do caminho quando necessário são também uma boa pedida.

– TOME CUIDADO COM PEÇAS MUITO GRANDES
É importante, ao planejar a ambientação, tomar cuidado com as proporções, pois elementos opostos ao perfil do local onde são inseridos geram contrastes que realçam essas características. Por exemplo, peças e móveis de dimensões reduzidas em espaços amplos parecem menores do que realmente são, e fazem o entorno parecer ainda maior. Portanto em locais pequenos é aconselhável que o mobiliário em geral seja também de pequeno porte, com no máximo um detalhe ou outro em destaque. Isso é conveniente também por uma questão óbvia de economizar espaço onde ele já não é tão abundante.

– DÊ PREFERÊNCIA PARA CORES NEUTRAS OU POUCAS CORES
Em espaços pequenos, qualquer excesso de informação pode ser prejudicial. E as cores são, cada uma delas, uma informação diferente. Sendo assim, o ideal é criar uma base neutra, de tom claro para não sobrecarregar, ou então dar preferência para apenas uma cor, de maneira a deixá-la bem marcada no ambiente. Pelo mesmo motivo, é interessante utilizar revestimentos lisos ao invés de estampas, pois estas representam também maior quantidade de informação visual.

– DESENCOSTE OS MÓVEIS DAS PAREDES
Por mais que pareça contraditório e fora da tendência automática, o mobiliário desencostado das paredes cria uma leveza que tem como efeito principal a ilusão de amplitude. Portanto, sempre que possível, fuja daquela primeira ideia que vem à mente, de encostar cada móvel em uma parede, e aproveite melhor o espaço central dos ambientes. Áreas vazias são importantes para dar ideia de liberdade.

– FAÇA O AMBIENTE PARECER MAIS ALTO
Utilize recursos e elementos que voltem a atenção para o alto, tais como painéis, molduras de teto, elementos verticais como espelhos ou quadros. Isso faz com que as diferentes dimensões   sejam valorizadas, e com isso os limites horizontais ficam menos evidentes.

– USE ESPELHOS, MAS CAUTELOSAMENTE
Espelhos são um recurso conhecido para ampliar espaços, e são eficazes porque dão a sensação de eliminarem a superfície onde são inseridos. Por isso, para que o resultado esperado seja realmente alcançado, eles devem ser posicionados em locais estratégicos, e de preferência encostados em móveis ou outras paredes, dando ideia de continuidade. É importante também que eles sejam utilizados com moderação, pois o excesso de espelhos pode gerar um impacto visual de labirinto, especialmente quando dispostos de frente uns para os outros.

– LIBERE O TETO E O PISO
Da mesma maneira que paredes livres geram leveza e consequente sensação de espaço, o mesmo vale para o teto e para o piso. Portanto uma boa dica é não encostar o topo dos armários no teto, e utilizar, quando possível, móveis suspensos.

Fonte: http://dicasdearquitetura.com.br/como-ampliar-espacos-pequenos/

Gostou das nossas dicas? Entre em contato conosco e deixe o seu comentário.

Dicas e Truques para decoração de apartamentos pequenos

quartos-apto-pequeno-6

Apartamentos pequenos estão cada vez mais comuns, todos os meses construtores de edifícios lançam apartamentos entre 30 e 60 metros quadrados, são realmente espaços pequenos, mas devido à alta demanda no mercado por localizações em grandes cidades, e o sonho de muitos habitantes pelo primeiro imóvel, a venda de imóveis pequenos cresce a cada dia.

1 – USE ESPELHOS

Usar Espelhos é um grande truque dos arquitetos para dar mais leveza e suavidade em um ambiente pequeno, eles transmitem espaço, e dão uma sensação agradável aos moradores e convidados do apto. Pode ser usado desde um grande espelho (o opção mais comum), ou pequenos espelhos usados em conjunto. Limpeza é fundamental, deixe-os sempre limpos, pois será um ponto de referência atrativo da casa. Outra dica é usar espelhos nas laterais de corredores, para parecerem maiores.

2 – CORES CLARAS

Não precisa ficar apenas no branco convencional (sua casa não precisa ficar com cara de escritório!), mas use cores claras para dar uma melhor sensação de espaço nos ambientes pequenos.

3 – COMPARTIMENTOS SECRETOS

Você pode usar recipientes para organizar as coisas com mais praticidade, ao invés de deixar tudo jogado pela casa. Existem móveis, como poltronas, sofás e camas com compartimentos secredos para guardar os objetivos. Mas tome cuidado para não abusar e usar móveis grandes demais.

4 – SIMPLIFIQUE SUAS COISAS

Não guarde coisas que não usa, elas ocupam muito espaço em seu apartamento, e são inúteis! Uma dica é: se tem algo que você não usa nos últimos 3 anos, é inútil, faça uma doação ou coloque a venda na internet.

5 – JANELAS GRANDES E SEM BLOQUEIOS

Tenha uma janela grande para facilitar a circulação de ar, e não as cubra com janelas de metais, ou matérias semelhantes, que bloqueiem a entrada de luz e ar. Algumas janelas de madeira ou metal podem bloquear 50% da entrada de ar e luz, isso é um grande erro em apartamentos pequenos. Caso precise proteger as janelas das crianças e animais, use cercas de proteção que tem a função de bloquear acidentes, porém não impedem a entrada de luz e ar.

6 – SOLUÇÕES PARA COZINHAS PEQUENAS

Se você tem um apartamento pequeno, obviamente a cozinha é muito pequena também, mas não se desespere, temos alguns conceitos para te ajudar a criar um ambiente de cozinha bem bacana.

Desenhe a sua cozinha de modo que os armários e eletrodomésticos fiquem alinhados de cada lado de um corredor.

Compre eletrodomésticos compactos, hoje os fabricantes têm muitas opções de aparelhos, você deve verificar as medidas nos sites dos fabricantes, ou verificar pessoalmente nas lojas físicas; não fique com vergonha de levar uma fita métrica, meça os equipamentos e os espaços no seu apartamento.

Fogão cooktop: É uma excelente opção para cozinhas pequenas, mas lembre-se que você perderá o forno; de qualquer maneira ganhará o espaço debaixo do fogão cooktop para armazenar utensílios e alimentos.

Mesa que abre fecha (levanta e recolhe): Essa é uma dica de ouro, essa mesa pode facilitar muito a sua vida, você só precisa abrir (levantar) quando for fazer uma refeição, no caso de kitnet, por exemplo, elas são essenciais! Imagine um casal morando em uma kitnet, quando um acordar para tomar o café da manhã antes de ir ao trabalho, irá fazer um grande barulho se usar a sala, usando uma mesa ‘levanta e recolhe’ na cozinha, mesmo que esta seja muito pequenina, o problema está resolvido.

Pendurar panelas e frigideiras: Pode ser um grande trabalho abrir e fechar compartimentos e armários em cozinhas pequenas, ainda mais panelas que ocupam muito espaço; em armários pequenos é difícil guardar tudo, você pode pendurar na parede as coisas que usa todo dia e em diferentes refeições, como por exemplo, frigideira, panelas pequenas, luvas, e pano de louça.

7 – ILUMINAÇÃO

A maioria dos apartamentos tem apenas uma luz fixa no teto, o que faz um apartamento pequeno parecer ainda menor, use um número maior de lâmpadas com visual moderno (não precisa ser com lustres!) para deixar o espaço melhor iluminado e com visual atraente; você não precisa necessariamente quebrar o teto para isso, pode fazer aplicações em gesso!

8-NÃO ABUSE DOS QUADROS

Não coloque muitos quadros na parede, vai fazer parecer que o espaço está todo ocupado, e que não é bom em ambientes pequenos.

9-UNIÃO ENTRE CÔMODOS COM VIDRO

Em muitos apartamentos pequenos a cozinha e a sala são unidas; nesse caso ao invés de subir uma parede inteira, opte por subir apenas metade da parede, como um tipo de cozinha americana, e feche o restante com vidro transparente, isso vai dar uma sensação de espaço maior tanto para cozinha quanto para a sala, e ainda assim manter a organização e a sensação de divisão.

10- PLANTAS

Trazem vida ao apartamento, em locais pequenos podem ser penduradas no teto ou na parede através de ganchos especiais, lembre-se que devem ser colocadas em um local onde chegue o sol, ou compre plantas que não precisem da luz solar para sobreviver.

Fonte: http://casabemfeita.com/decoracao-apartamentos-pequenos/

Deixe seu comentário aqui:

Quando posso usar o FGTS para abater a dívida do imóvel?

 

fgts

A utilização do FGTS para a compra do imóvel, amortização ou quitação do financiamento imobiliário ou carta de consórcio deve seguir as regras abaixo:

Não pode ser proprietária(o), possuidora(o), promitente comprador(a), usufrutuária(o) ou cessionária(o) de outro imóvel residencial, concluído ou em construção, localizado:

  • no mesmo município onde trabalha, incluindo as cidades que fazem divisa ou na mesma região metropolitana;
  • no mesmo município onde reside, incluindo as cidades que fazem divisa ou na mesma região metropolitana;

Agora, caso o segundo imóvel que você possua esteja localizado em outra localidade, fora do município, da divisa ou da região metropolitana onde você trabalha ou reside, então, sim, poderá utilizar o FGTS para amortizar o financiamento imobiliário.

Para isso, será preciso que você apresente a matricula atualizada desse segundo imóvel e anexe juntamente uma declaração onde informe que tem ciência das regras do FGTS e que esse imóvel está fora das condições restritivas para sua utilização.

Apesar de não ser uma exigência formal, na prática esse tipo de declaração ajuda os analistas do banco na análise da sua solicitação.

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/quando-posso-usar-o-fgts-para-abater-a-divida-do-imovel

 

COMO AVALIAR O SEU IMÓVEL

avaliar imovelExistem algumas maneiras de avaliar o preço do seu imóvel. Umas são mais apuradas e indicadas para quem deseja estipular um valor mais preciso ao colocar o imóvel à venda. Outras, mais superficiais, podem ser indicadas para quem apenas quer ter uma noção sobre o valor do seu patrimônio. Confira a seguir o que fazer para precificar seu imóvel.

Consulte um corretor. Para quem precisa definir um valor para o imóvel porque tem o objetivo de vendê-lo, o melhor caminho é a consulta a um corretor de imóveis.

Quando o imóvel é colocado à venda em uma imobiliária o mais comum é que ela faça a avaliação sem cobrar nada por isso. Mas, caso o proprietário queira consultar um corretor apenas para isso, ele cobrará um valor à parte pelo serviço.

Os Conselhos Regionais de Corretores de Imóveis divulgam em seus sites uma tabela com os honorários dos principais serviços executados por corretores, como os percentuais de comissões por venda, locações e avaliações do valor do imóvel. Em São Paulo, uma avaliação por escrito é fixada em 1% do valor do imóvel e um parecer verbal custa, no mínimo, uma anuidade do Creci, que em 2016 é de 545 reais.

Na maioria dos casos os corretores visitam o imóvel e sugerem o valor ao proprietário verbalmente. Mas, também é possível solicitar uma avaliação documentada, o chamado “Parecer técnico de avaliação mercadológica”. “Esse documento fornece um valor para o imóvel e explica em detalhes porque foi determinado aquele preço. Ele inclui dados da estrutura do imóvel, comparativos de imóveis semelhantes vendidos na região e informações sobre zoneamento, infraestrutura e de mobilidade urbana”, diz.

Qualquer corretor pode opinar sobre o valor de uma propriedade, mas para elaborar o parecer técnico, o profissional precisa ter o título de avaliador imobiliário, que é garantido a corretores que têm diploma de curso superior em gestão imobiliária ou de especialista em avaliação imobiliária concedido por cursos do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci). É possível consultar a lista dos corretores com título de avaliador imobiliário no Cadastro Nacional de Avaliadores Imobiliários (CNAI), no site da Cofeci.

O documento é essencial em situações nas quais parentes ou cônjuges em processo de divórcio discordam sobre o valor de um imóvel herdado ou compartilhado prestes a ser vendido. Também é usado em permutas de imóveis ou em caso de inadimplência, quando o imóvel é tomado por um banco e o proprietário considera que a propriedade tem um valor maior do que aquele indicado pela instituição.

Para proprietários que não se encontram nessas situações, o parecer técnico pode ser apenas uma maneira de se resguardar nas negociações. O parecer técnico é muito bom para que a pessoa não tenha ansiedade ao fazer o negócio, porque o proprietário passa a conhecer o preço de mercado do seu imóvel e entende exatamente se está o vendendo por um preço acima ou abaixo do seu valor.

No caso da venda de imóveis usados, como a negociação é permeada por muitas contrapropostas, o parecer técnico é apresentado para dar base ao valor estipulado pelo vendedor.

Engenheiros e arquitetos também podem definir valores para imóveis, ou elaborar pareceres técnicos. Mas, segundo Viana Neto, a consulta a corretores é fundamental porque eles estão intimamente envolvidos com o mercado imobiliário da região. Em função disso, engenheiros e arquitetos que fornecerem pareceres devem consultar um corretor.

Segundo Nelson Parisi, presidente da Rede Secovi de Imóveis, comparar o valor de imóveis semelhantes pode, de fato, ajudar o proprietário a ter uma segunda opinião depois de feita uma avaliação do imóvel, mas para quem quer vender o imóvel, a consulta a corretores é imprescindível, já que se trata de um bem de alto valor. “Principalmente se for uma casa, não adianta fazer a comparação com outras casas na mesma rua, porque as casas são muito diferentes e os valores podem variar por questões muito específicas e o proprietário pode fazer uma estimativa errada”, afirma.

Entenda o que pode influenciar o valor

O valor de um imóvel é afetado por inúmeros fatores, tanto racionais, quanto emocionais. Mas alguns critérios se destacam para a formação do preço, como a localização, o tamanho, o estado de conservação, a área de lazer do condomínio e fatores mercadológicos que influenciam a oferta e a procura dos imóveis.

Muitas vezes, dois apartamentos podem ser aparentemente muito semelhantes, mas alguns detalhes podem tornar seus preços muito distintos. Andares mais altos costumam ser mais caros, assim como apartamentos voltados para a face norte em regiões frias, uma vez que eles são mais ensolarados. E em uma mesma região, um prédio mais novo, com uma fachada mais atraente também poderá ter um preço maior do que um imóvel em um prédio antigo, mesmo que sua área seja maior.

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/como-descobrir-quanto-vale-o-seu-imovel

 

Solicite uma avaliação do seu imóvel na Imobiliária Jaeger.

Consideramos que avaliar o seu patrimônio é uma tarefa que requer seriedade e competência. Nessa atividade, o profissionalismo irrepreensível e a constante atualização técnica, adquirida ao longo dos anos, leva à precisão, fundamental para um bom negócio.

Entre em contato agora e marque a sua avaliação.