7 dicas de planejamento financeiro para comprar o imóvel dos sonhos

 

7 dicas de planejamento financeiro para comprar o imóvel dos sonhos.jpg

A compra do apartamento ou da casa própria é um marco importante na vida de qualquer pessoa. No entanto, o caminho para realizar esse sonho não é nada simples: é preciso organização e planejamento financeiro antes de pensar em adquirir o imóvel que você tanto quer.

Uma compra feita da forma errada pode impactar negativamente a sua vida por um longo período, trazendo sérios prejuízos não só para você mas também a toda sua família. Por isso, separamos neste post 7 dicas de planejamento financeiro. Confira!

1. Organize suas finanças e estabeleça metas de poupança

A primeira coisa a fazer para atingir essa conquista é se organizar financeiramente. Tenha em mãos seu orçamento, lance seus ganhos e gastos em uma planilha e calcule quanto sobrará por mês para ser investido na compra do imóvel.

Com base nesse orçamento, se esforce para economizar. O interessante é trabalhar com uma meta de valor para ser poupada.

Se você perceber que não está sendo possível atingir a quantia desejada, analise o que pode ser cortado de outros gastos.

2. Faça um planejamento financeiro para investir tudo o que for poupado

Dinheiro parado é sinônimo de prejuízo. Por isso, enquanto você junta a quantia para comprar seu imóvel, esse dinheiro pode ser aplicado em algum investimento financeiro para render ao longo do tempo.

O ideal é investir em alguma aplicação segura de renda fixa, que lhe garanta ganhos estáveis e previsíveis.

3. Procure a melhor forma de pagamento

Existem três principais maneiras de comprar um imóvel: a aquisição à vista, o financiamento e o consórcio imobiliário.

Analise a sua situação financeira

Para evitar dívidas, é sempre preferível pagar qualquer coisa à vista. Porém, devido aos preços dos imóveis, nem sempre isso é possível. Por isso, é importante ter em mente quais são as outras formas de pagamento possíveis e adequá-las de acordo com sua capacidade financeira.

Seu FGTS pode ajudar

Não se esqueça também de que uma ajuda pode vir de seu FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), já que seu uso é permitido para a aquisição e financiamento de imóveis.

Consórcios oferecem custos mais baixos

A compra por meio de consórcios também vem se tornando uma alternativa muito popular entre os brasileiros. Ele é ideal para aqueles que não estão com pressa na aquisição, oferendo um custo mais baixo.

4. Considere as diferenças de preço entre imóveis novos e usados

Existem várias diferenças entre imóveis novos e usados.

Ao decidir por essa opção, é importante conferir se o imóvel é antigo e como estão as instalações hidráulicas, fiação elétrica, lajes, telhados, pisos, revestimentos e a estrutura. Muitas vezes uma reforma acaba sendo necessária, o que pode fazer com que a economia obtida na hora da compra deixe de existir.

Um imóvel na planta pode ser interessante por ser um novo projeto e apresentar menos riscos de problemas estruturais, se optar por essa alternativa, pesquise o histórico da empresa, verificando se ela tem boa reputação no mercado e nos órgãos de defesa do consumidor.

5. Tenha calma e não se apresse para escolher

Por mais que a vontade e a urgência em adquirir um imóvel sejam grandes, é preciso ter cautela. O recomendado é pesquisar e analisar todas as alternativas que aparecerem antes de decidir, até encontrar aquela que se encaixe em suas necessidades. O mercado imobiliário é dinâmico e várias boas oportunidades podem surgir com o tempo.

6. Preste atenção aos gastos e despesas extras

Os gastos com a aquisição de um imóvel não se limitam apenas ao valor das prestações e do financiamento. Existem, ainda, as taxas de transferência, documentação. Por isso, reserve também uma quantia para cobrir esses custos.

7. Recorra à ajuda de um profissional

Mesmo com tanto planejamento, ninguém está livre de imprevistos. Por isso, é sempre prudente contar com um apoio profissional. A ajuda de um consultor de imóveis é necessária caso ocorra uma situação não esperada ou até mesmo para solucionar questões relacionadas ao financiamento, por exemplo.

É importante ter total confiança nesse profissional. Peça a ele que esclareça as dúvidas envolvidas na compra, identificando possíveis problemas com documentação, pagamento, escrituras, entre outros trâmites.

Por isso venha até a Imobiliária Jaeger que nossos corretores estarão lhe aguardando.

 

 

Anúncios

Perspectivas do mercado imobiliário para 2017

business-modelcanvas1

Já conseguimos vislumbrar 2017 no horizonte. Falta pouco para a tradicional contagem regressiva, os brindes e a renovação de sonhos e planos que ficaram pelo caminho em 2016. Para muitos, é hora finalmente de planejar a aquisição do seu imóvel, seja ele comercial ou residencial.

Mas o que esperar desse novo ano? O que ele poderá trazer de oportunidades e ameaças? Sabemos que a confiança de todos melhora demais nessa época. Mas ela somente não é suficiente para concretizar a aquisição de um imóvel. É preciso ficar de olho em muitos outros fatores.

A seguir, vamos listá-los e considerar quais irão influenciar de forma positiva o setor no próximo ano:

Inflação em desaceleração: A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016. Para 2017, a previsão do mercado financeiro para a inflação é de 5,07%, conforme divulgação do Banco Central no último Relatório Trimestral de Inflação, documento que possui as expectativas para a economia.

No entanto, o Banco Central comunicou que tentará conseguir atingir meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.

Redução da taxa de juros: A taxa de juros, quando mantida alta, onera o crédito e colabora pra inibir o consumo das famílias e a injeção de capital das empresas, elementos mandatórios para a recuperação do crescimento da economia.

Porém, ainda de acordo com o mercado financeiro, para 2017, a estimativa da taxa de juros é de 11%, o que presume uma queda maior no próximo ano.

Produto Interno Bruto (PIB): Outro fator que contribui para a recuperação do mercado imobiliário é o crescimento do PIB, posto que desempenha o papel de medir o comportamento da economia brasileira, além de ser a junção de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro.

Nesse sentido, a perspectiva é favorável à indústria imobiliária, pois o Banco Central enxerga um cenário dessemelhante para 2017 e mais satisfatório do que o vivido pelos brasileiros em 2016. A instituição anunciou que o PIB deve crescer 1,3% em 2017.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também vê crescimento do PIB em 2017. Segundo Alejandro Werner, diretor do hemisfério ocidental do órgão, é esperado que a economia brasileira atinja seu ponto mais baixo este ano para ter um crescimento positivo no próximo.

O FMI estimou um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nula feita nos dois últimos levantamentos do órgão.

Outros indicadores: Ademais, de acordo com o BC, a projeção é de que outros indicadores voltem a crescer. Os investimentos devem chegar ao fim de 2017 com uma alta de 4% ante uma queda de 8,7% em 2016.

No consumo das famílias, espera-se que mais números positivos sejam apontados: a organização prevê uma alta de 0,8% no próximo ano.

Benefícios provenientes de uma economia fortalecida: Com o desemprego e a inflação em alta, o consumidor visa adiar o sonho da casa própria, já que ele enfrenta mais dificuldades para assumir dívidas e fechar novos negócios.

Ainda, perante um cenário de retração econômica, os bancos se tornam mais criteriosos para conceder empréstimos.

No entanto, para 2017, a previsão é de que haja redução de juros, o que faz com que a economia fique mais aquecida.

Com isso, as empresas podem colher alguns benefícios. São eles:

Melhora na confiança e renda do consumidor: Com a melhora das perspectivas sobre a inflação, a confiança e a renda dos brasileiros tende a aumentar.

Isso porque consumidores confiantes, com possibilidades positivas em relação ao emprego e, consequentemente, à condição financeira, compram mais, o que ajuda no aquecimento da atividade econômica.

Dessa forma, mesmo bens maiores, como automóveis e imóveis, que, no momento atual – de acordo com o INEC (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor) – as pessoas estão mais cautelosas para adquirir, apresentarão excelente performance de vendas.

Baixa inadimplência: A melhora da dinâmica da economia também está ligada à queda da inadimplência.

Esse é um fator preocupante, visto que indica maior risco de que parte das vendas efetuadas e/ou serviços contratados não sejam recebidos, o que gera uma reação em cadeia.

Vamos supor que um consumidor tenha adquirido um imóvel e não tenha conseguido pagar. Dessa forma, ele tenta fazer um acordo para devolver o imóvel para a construtora. Essa, por sua vez, pode ter que cortar funcionários, o que tem reflexo direto no aumento do desemprego.

A melhora da inadimplência é um dos fatores determinantes para que o mercado imobiliário volte a crescer.

Aumento da empregabilidade: O aumento da empregabilidade também é um aspecto importante e influencia diversos setores da economia.

Em 2017, economistas preveem que o desemprego deve ceder, o que também influenciará positivamente o mercado imobiliário.

Crédito imobiliário mais barato: Com uma economia mais estável, o mercado imobiliário é influenciado positivamente, já que, assim, os consumidores voltam, também, a ter crédito disponível.

Afinal, em um ciclo econômico crescente, há crédito imobiliário mais barato e uma demanda em alta.

Quem atua no setor sabe que a falta de crédito para financiamento de imóvel é uma condição necessária para o avanço do mercado imobiliário no Brasil.

Baixo crédito imobiliário em 2015 e 2016: Entre 2015 e 2016, o mercado imobiliário brasileiro viveu um momento com muitas especulações e dúvidas.

Em 2015, o resultado desfavorável do setor foi puxado pelo enfraquecimento na economia nacional e incertezas políticas. Em virtude disso, a taxa de juros era alta e o crédito mais escasso.

Por esse motivo, muitas incorporadoras não lançaram novos empreendimentos, concentrando-se somente na venda das unidades em estoque.

Retomada do crescimento do mercado imobiliário em 2017: Os sinais de uma melhora para o mercado imobiliário virão em 2017 com a desaceleração da inflação e a queda na taxa básica de juros no país, fatores que vão favorecer a oferta de crédito imobiliário para o consumidor.

O setor depende de como está o cenário no país, e já é possível prever uma melhora econômica e boas expectativas para o próximo ano.

Com a retomada do crescimento econômico e os ajustes que devem ser feitos no cenário político, a tendência é que o mercado imobiliário apresente boa melhora em 2017.

Quer conversar mais sobre algum desses assuntos? Venha até a Imobiliária Jaeger falar com um dos nossos consultores, sempre prontos a lhe auxiliar na sua tomada de decisão.

#VemPraJaeger

Fonte: http://exame.abril.com.br/negocios/dino/mercado-imobiliario-perspectivas-para-2017-shtml/

 

Dicas de conservação do seu imóvel

Imóveis sempre foram uma ótima forma de investimento, seja para morar ou obter renda por meio de aluguel. Mas com a ação do tempo e de outros fatores físicos, podem apresentar alguns desgastes e comprometer sua usabilidade e até mesmo seu valor de mercado. Por isso, é fundamental cuidar de seus imóveis da melhor maneira possível, mantendo sua estrutura e acabamento limpos e funcionais. Confira a seguir algumas dicas essenciais que separamos para você conservar seu imóvel e deixá-lo sempre com aquele aspecto de novo.

Pintura

A primeira impressão é sempre a que fica, e essa máxima é totalmente válida no caso de imóveis. A limpeza de superfícies pintadas deve ser feita com apenas água e sabão, evitando aqueles produtos à base de álcool e outras substâncias fortes, que acabam desbotando e danificando a tinta. A indicação é a de refazer toda a pintura da casa a cada três anos.

Elétrica

Mantenha sempre limpos quadros e outros equipamentos elétricos, não se esquecendo nunca de desligar a chave geral antes de qualquer coisa, para evitar acidentes. Quaisquer problemas na instalação elétrica devem ser resolvidos por um profissional qualificado e de confiança – indicação de que sejam feitas manutenções preventivas de tempos em tempos. No caso de construções mais antigas e que podem apresentar problemas elétricos, pense em revisar ou até substituir a fiação da rede elétrica.

Com relação a disjuntores, se houver queda dos mesmos, fique atento, pois eles são os guarda-costas do imóvel e é sinal de que algo errado está acontecendo e deve ser avaliado por um profissional qualificado.

Hidráulica e Esgoto

Item que mais gera problemas nos imóveis, em especial em apartamentos, a parte hidráulica do imóvel merece atenção especial. No primeiro sinal de umidade ou vazamento, solicite a vistoria de um profissional para reduzir custos e dores de cabeça futuros como infiltrações. Verifique sempre a situação das torneiras e registros.

Ralos, sistemas de descarga e esgoto devem ser limpos e inspecionados periodicamente para evitar entupimentos e a obstrução de passagem.

Rejuntes

Cuidar dos rejuntes de pisos, azulejos, lavatórios e bacias sanitários, além de contribuir para um aspecto mais agradável, ajuda a evitar infiltrações, que podem se tornar uma grande dor de cabeça para seu imóvel. Indicação de manutenção uma vez por ano, e no meio tempo, limpe com água, detergente e sabão neutro, evitando produtos que contenham química pesada.

A troca de rejunte também é indicada, pode haver remoção total dos rejuntes através de raspadores específicos para esta prática e posterior limpeza e novo rejuntamento.

Pisos e Revestimentos

Este é outro item cuja boa conservação contribui em muito para a beleza e valorização do imóvel, além da manutenção diária e semanal, a indicação é a utilização periódica de produtos específicos para uma limpeza mais pesada que remova eventuais acúmulos de resíduos ou manchas. Evite o contato com substâncias ácidas ou abrasivas que possam danificar o piso ou revestimento.

No caso de peças quebradas ou trincadas é indicada a substituição das mesmas, para manter um ambiente com bom estado de conservação, por isso a dica de sempre guardar algumas peças para quando necessitar fazer a troca, manter a mesma tonalidade e dimensão das peças substituídas com as já existentes.

Cobertura e Calhas

A revisão da cobertura auxilia na manutenção de toda a estrutura do seu imóvel, evite telhas quebradas ou mal encaixadas, isso impossibilitará goteiras e danos em forros ou lajes.

As calhas devem ser limpas periodicamente para evitar o acúmulo de folhas e sujeiras, assim não impedirão a passagem da água da chuva, evitando problemas de infiltração ou goteiras.

Jardins e Espaços Externos

No caso de casa com terreno e espaços para jardim e cultivo de árvores, a indicação é por plantas de fácil manutenção. Mantenha a poda regular de árvores e a manutenção de gramados e jardins. O jardim será o primeiro a ser visto ao chegar ao seu imóvel, é o seu cartão de visitas.

Faça manutenções periódicas no seu imóvel, toda e qualquer manutenção feita fará com que o mesmo seja valorizado, tenha maior durabilidade e evitará gastos adicionais no futuro, além, é claro, de manter um bom aspecto visual.

 

Fonte: http://www.meuprecon.com.br/blog/5-dicas-para-conservar-seu-imovel/

6 coisas que você precisa saber sobre Herança

heranca_-um-assunto-dificil-mas-que-precisamos-abordar-1

Este é um assunto sobre o qual praticamente ninguém gosta de falar, mas sua importância é enorme, pois é justamente nos momentos de maior sensibilidade que uma família precisa resolver os documentos da herança. Existem várias questões a serem levadas em consideração sobre o tema: quem são os herdeiros? Como deixar um testamento? Sobre quais bens eu posso dispor livremente no testamento? Preparamos abaixo algumas questões que ocorrem com maior frequência. Mas lembre-se: essas questões devem ter sempre o acompanhamento profissional do seu advogado.

1)   Sucessão de bens

Primeiramente, vamos explicar sobre a sucessão de bens, que é a transmissão de bens móveis ou imóveis, após a constatação da morte ou ausência (desaparecimento) de uma pessoa. A partir desse momento, diversos efeitos jurídicos são gerados, pois a pessoa que morreu pode ter dívidas a pagar, créditos a receber, patrimônio a transmitir, entre outras questões. Normalmente, estas questões são resolvidas judicialmente, principalmente quando há menores de idade envolvidos. Se houver acordo entre herdeiros e nenhum interesse de menor de idade, é possível fazer esse mesmo procedimento de partilha nos cartórios.

2) Sem testamento

Não havendo testamento, a Lei determina quais serão os herdeiros naturais da pessoa que morreu. No Brasil, o cônjuge e os descendentes (filhos) são os herdeiros naturais. Se não houver filhos, mas netos, eles também herdam a parte que caberia a seus pais. Se não houver descendentes, herdam o cônjuge e os ascendentes (pais). No caso de não haver pais, mas avôs, esses herdam a parte que caberia aos pais. Na hipótese de indivíduos que morrem sem cônjuge, herdam descendentes e ascendentes, nessa ordem. Na falta dessas pessoas, herdam os irmãos e, na falta desses, parentes até o 4º grau.

3) Partilha da herança

A partilha é complexa porque depende do regime de bens, de haver casamento ou união estável, filhos em comum, bens só do falecido ou de ambos, etc.

Geralmente é feita por cabeça, de acordo com as pessoas aptas a herdar. Se só existirem filhos, cada um deles receberá a mesma parte do patrimônio. Se houver cônjuge, ele normalmente tem direito à metade do patrimônio do casal, a depender do regime patrimonial do casamento (comunhão total ou parcial de bens, separação total etc.).

O cônjuge que sobrevive tem direito a ficar com a casa em que morava com o falecido. Se o valor da casa exceder a parcela a que o cônjuge tem direito sobre a herança, será necessário pagar o excedente aos demais herdeiros.

4) Como funciona o testamento

Se houver herdeiros necessários, a pessoa só poderá dispor uma parcela de seu patrimônio em testamento. A outra parcela, chamada “legítima”, deverá ser repartida, necessariamente, entre os herdeiros naturais (descendentes, ascendentes e cônjuge). Só será possível afastar essas pessoas do recebimento da herança em casos bastante específicos, como na deserdação por indignidade.

Se houver apenas um cônjuge como herdeiro, a legítima recebe a metade da herança. Ou seja, se o patrimônio total do indivíduo for de R$ 500.000, apenas R$ 250.000 podem ser designados de acordo com a vontade da pessoa que morre. Os outros R$ 250.000 cabem, necessariamente, ao cônjuge. O mesmo ocorre quando não há cônjuge e o falecido deixa apenas um filho.

Se houver filhos e cônjuge, a legítima é de dois terços da herança. Ou seja, sobra um terço da herança para dispor livremente. O mesmo ocorre quando há somente filhos, caso em que a legítima será de dois terços e a quota disponível será de um terço.

5) Como fazer um testamento

Atualmente, as formas de testamento mais comuns são: o público (feito em cartório), o cerrado (literalmente, selado até o momento de sua abertura) e o particular (que pode ser escrito de próprio punho ou mesmo em computador, desde que com a assinatura de três testemunhas). Da mesma forma como foram feitos os testamentos, eles podem ser desfeitos (revogados). Desde que a pessoa esteja em pleno exercício de suas capacidades mentais, é possível mudar de ideia acerca da parcela disponível de seus bens, nomeando novos herdeiros e realocando a destinação de seus bens.

6) Dívidas e créditos do falecido

Dívidas e créditos devem ser contabilizados no momento de inventariar o patrimônio deixado pelo falecido. Somam-se todos os bens, o que inclui créditos e outras aplicações financeiras. Desse valor, subtraem-se todas as dívidas deixadas. Se essa quantia exceder o valor dos bens, não há como cobrar dos herdeiros o excesso. As pessoas somente herdam o valor que excede as dívidas do falecido, não seus débitos.

Por isso, um procedimento de inventário e partilha de bens deve levar em consideração todos os bens, créditos, débitos e finanças do falecido, para que só seja realizada uma partilha no final do procedimento. Durante esse processo, um dos herdeiros é chamado para administrar estes bens. Se não houver herdeiros, o juiz pode nomear um administrador para eles.

Se você ainda tem dúvidas, venha até a Imobiliária Jaeger. Nós podemos indicar advogados que são nossos parceiros profissionais, capacitados para lhe auxiliar.

#VemPraJaeger

Fonte: https://financaspessoais.organizze.com.br/tudo-o-que-voce-procurava-sobre-heranca/

 

Aproveite as oportunidades e tenha um retorno excepcional do seu investimento

 

show-me

Para quem está interessado e atento, há diversas oportunidades de investimento aparecendo o tempo todo de forma cíclica no mercado, e para essas pessoas basta escolher qual a melhor opção para que o dinheiro seja aplicado de forma consciente. Mas essa visão não é compartilhada por todos, sendo que muitas pessoas que pretendem investir simplesmente não sabem como identificar uma boa oportunidade, mesmo que ela esteja diante do seu nariz.

Esse faro para boas aplicações vem com o tempo, e apenas o conhecimento e a experiência podem fazer com que uma pessoa aproveite uma boa oportunidade, e da mesma forma deixe passar outra que apenas parecia favorável, mas poderia prejudicar e muito o patrimônio. Algumas dessas oportunidades aparecem de forma clara, e, para aquele que a identificou com antecedência, ela não tem chances de dar errado.

Muitas vezes essa oportunidade se desenrola lentamente, por anos e anos, até amadurecer e se tornar a galinha dos ovos de ouro para o investidor. Por isso a paciência também conta, já que ninguém constrói o seu patrimônio da noite para o dia.

Segurança é essencial

A rentabilidade de uma aplicação ou de uma oportunidade não pode ser a prioridade para um investidor, por mais que isso pareça contraditório. O que o investidor inteligente faz em primeiro lugar é analisar os riscos daquela operação, antes de observar mais a fundo a sua rentabilidade. Não é possível fazer o seu patrimônio crescer quando ele não existe mais, ou quando restam apenas migalhas, e por isso a prioridade do bom investidor é manter o seu patrimônio.

Isso não quer dizer que o investidor não deve arriscar ou não deve seguir o seu faro para aplicações e investimentos excepcionais, que emergem como ilhas após uma severa tempestade. Isso quer dizer apenas que o investidor deve manter essa necessidade de segurança o tempo todo consigo, e ter a certeza de que a segurança do seu patrimônio deve sempre estar em primeiro lugar.

Se o investimento incluir uma parcela significativa do seu patrimônio e não possuir a segurança necessária, então essa não é uma boa oportunidade. Arriscar uma quantia razoável em um investimento com excelentes promessas é o ideal, não estacionando na segurança nem se jogando ao vento com tudo o que você tem.

Onde Investir

O ideal para um bom investidor conseguir excelentes rendimentos é a diversificação do seu investimento. Mas não priorize a quantidade pela qualidade, e apenas agarre uma boa oportunidade de criar essa diversidade se ela for mesmo excelente. No caso do investimento em ações, por exemplo, há diversos períodos em que as empresas passam por algumas dificuldades temporárias, e as ações atingem o nível de segurança ou muitas vezes ficam abaixo desse valor.

Tratando-se de uma grande empresa com um reconhecimento bom pelo público a que se destina, essa seria uma excelente de oportunidade para aplicar o se dinheiro por um preço mais do que justo, e com lucratividade praticamente certa. Outra oportunidade está em determinadas regiões imobiliárias que possuem desenvolvimento certo, dependendo apenas do tempo para os imóveis da região duplicarem de preço. É o caso, por exemplo, de regiões portuárias em tempos de pré-sal, que crescem vertiginosamente e aumentam e muito a população local.

Essa também seria uma boa oportunidade, para investir parte do seu capital de forma segura e não permitir que qualquer tipo de inconveniente prejudique o seu patrimônio. Muitas vezes essas oportunidades não dependem apenas de números e de especulações, e o olhar treinado do investidor apenas saberá identificar aquela que outros não viram, ou aquela que ainda é uma boa oportunidade, após algum tempo de desgaste. No início dos seus investimentos, não deixe de consultar alguém com experiência antes de investir o que você tem em uma oportunidade, já que apenas uma pequena parcela das que passam na sua janela vale à pena abraçar.

Se você precisa de auxílio para planejar os seus investimentos, venha até a Imobiliária Jaeger, que possui uma equipe especializada de consultores, sempre prontos a lhe orientar de forma profissional, segura e gratuita.

#vemprajaeger

Fonte: http://www.investimentosfinanceiros.com.br/oportunidades-de-investimento/

PLANEJE AGORA A COMPRA DO SEU IMÓVEL

images

No processo de compra de um imóvel é indispensável o planejamento. Um bom planejamento evita dores de cabeças futuras e ajuda a tornar o sonho da nova casa em uma realidade mais próxima.

O Planejamento Financeiro

Avalie a sua situação financeira antes de sair à procura por um imóvel. Veja todas as economias que possui, e veja quanto desse valor poderá ser usado na compra.

Uma das fontes de economia mais usadas para compra de imóveis é o FGTS. Em muitos casos ele pode ser usado.

Sempre financie o menor valor possível e considere comprometer no máximo 25% da renda família com as parcelas.

Outra dica para seu planejamento financeiro é avaliar o momento: se precisa do imóvel no curto prazo ou se pode esperar. Se puder esperar e comprar um imóvel na planta, você conseguirá ter um fôlego maior para juntar suas economias e consequentemente terá um valor maior para dar de entrada.

Atenção aos custos extras

Na hora de avaliar a compra de um imóvel, há outros custos que também devem ser adicionados à conta, e que muitas pessoas esquecem na hora de fazer os cálculos. Se você estiver procurando um apartamento, ou uma casa em um condomínio fechado, lembre-se de verificar o valor do condomínio para ver se ele cabe em seu orçamento mensal.

O ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) é usualmente pago pelo comprador e representa um custo adicional de 2% sobre o valor do imóvel.

Definindo as prioridades

Faça uma lista com as características que você está procurando em um imóvel e as ordene de acordo com a prioridade.

Na hora de listar as características prioritárias, não se prenda apenas aos pontos internos do imóvel, mas avalie também a sua necessidade em relação à região em que ele se encontra. Possui escola no bairro? Supermercado por perto? Quanto tempo do shopping? É uma região de fácil acesso utilizando transporte público? Muitas vezes as características da região são até mais importantes que as do próprio imóvel, portanto não as deixe de fora.

Pense no futuro

Pense além! É importante pensar em como você estará daqui a dez anos, considerando os planos que tem para a sua vida, e analisar se o imóvel que você está adquirindo tem capacidade para suportar as eventuais mudanças.

Analisando de forma geral, é importante começar seu planejamento financeiro o quanto antes, isso te permitirá ter um valor maior para utilizar como entrada e pagar menos juros no financiamento, assim você realiza o sonho da nova casa sem dificuldades financeiras.

Entre em contato com a Imobiliária Jaeger e converse com um de nossos consultores imobiliários que estão à disposição para auxiliá-lo.

Sol da tarde ou da manhã? Como escolher a posição do seu apartamento

Um apartamento com uma boa iluminação solar pode custar até 10% a mais, devido a menor incidência de problemas estruturais, por exemplo.

agora

Vários aspectos influenciam na hora de comprar ou alugar um apartamento. Além do custo, localização e metragem, a incidência de sol também faz toda a diferença. Tanto que em alguns lugares os imóveis que apresentam boa iluminação solar chegam a ser até 10% mais caros.

São vários os benefícios de ter um apartamento que recebe sol de forma adequada. Entre eles estão a prevenção no aparecimento de mofo e umidade, além de garantir conforto térmico.

Para saber se o apartamento em que está de olho terá incidência de raios solares na medida certa é preciso levar em conta a localização dele em relação ao nascer e ao pôr do sol. Aqueles voltados para a face norte terão iluminação garantida, praticamente o dia todo e no ano inteiro.

O posicionamento

No hemisfério sul do planeta, o norte recebe maior incidência de raios solares se comparado ao leste, oeste e sul. Por isso os apartamentos que apontam para essa direção são mais valorizados. No entanto, não é tão simples quanto parece. É necessário avaliar onde você está. Afinal em uma cidade de temperaturas altas não é interessante ter sol o dia todo deixando o ambiente ainda mais quente.

Portanto quanto mais ao sul do Brasil você estiver, o melhor é optar pela face norte.  A vantagem dessa direção pode ser comprovada principalmente durante o inverno. É nessa época que os raios solares incidem em um ângulo mais agudo em relação à superfície da Terra e assim acabam garantindo que o sol ilumine o imóvel quase o dia todo.

Pela manhã o sol é menos intenso, o que garante uma sensação térmica mais confortável no decorrer do dia, além de arejar o ambiente. À tarde, a temperatura aumenta deixando os cômodos mais abafados, principalmente no verão.

Atenção. Não adianta nada escolher um imóvel voltado para a face norte se em frente ao prédio existe uma grande árvore ou um outro empreendimento que impede o sol de chegar até o apartamento. Por isso fique alerta a todos os detalhes quando for fazer a visita.

Os cômodos

Salas e quartos são geralmente os ambientes pelos quais as pessoas mais transitam dentro de casa e onde permanecem por mais tempo.  Em alguns casos, esses espaços ainda contam com sacadas e terraços que aumentam a área de incidência de raios solares dentro dos cômodos.

Por isso, saber o horário em que o sol incidirá sobre esses ambientes é tão importante. A preferência é de que recebam os raios solares pela manhã, o que acontece quando esses cômodos estão voltados para a face leste ou norte, garantindo luminosidade e calor na medida certa.

No caso da cozinha, dos banheiros e da lavanderia não é necessário tanta incidência de sol.  Afinal são ambientes pelos quais as pessoas geralmente permanecem por pouco tempo, enquanto estão cozinhando ou colocando a roupa para lavar, por exemplo.

Além do mais alguns eletrodomésticos presentes na cozinha não devem ser expostos ao sol como geladeira, micro-ondas e máquina de lavar louça. Os raios solares danificam esses aparelhos.

A falta e o excesso de sol

É realmente importante prestar atenção nos horários em que o seu apartamento receberá sol. Locais muito escuros, úmidos e frios podem influenciar até mesmo na saúde dos moradores.

Quanto menor a incidência de luz maior é o aparecimento de fungos e ácaros que podem contribuir para o aparecimento de alergias e problemas respiratórios. Mas não é só a falta de sol que pode causar danos. O excesso também traz transtornos.

Os ambientes que recebem sol por muito tempo e em grande intensidade podem apresentar problemas como nos pisos e na pintura das paredes que ficam desbotados. Reduz ainda a vida útil das cortinas, persianas e tapetes, além de aumentar consideravelmente o consumo de energia por conta do ar condicionado nesses ambientes.

Se não houver como conter a grande incidência de raios solares no ambiente saiba que existem algumas soluções. Uma delas é utilizar cortinas persianas ou telas solares. Outra medida seriam os vidros especiais que permitem a iluminação, mas vetam o calor. Na presença de terraços a dica ainda é investir em vegetação como uma maneira de refrescar o ambiente.

Por fim, a orientação solar do apartamento deve ser um dos principais itens a serem observados para que a escolha seja certeira. Visite o seu apartamento dos sonhos em mais de um horário se possível, como de manhã e no fim da tarde para evitar surpresas depois da mudança.

Fonte: http://www.vivaocondominio.com.br/noticias/mercadoimobiliario/sol-da-tarde-ou-manha-como-escolher-a-posicao-do-seu-apartamento

Dicas e Truques para decoração de apartamentos pequenos

quartos-apto-pequeno-6

Apartamentos pequenos estão cada vez mais comuns, todos os meses construtores de edifícios lançam apartamentos entre 30 e 60 metros quadrados, são realmente espaços pequenos, mas devido à alta demanda no mercado por localizações em grandes cidades, e o sonho de muitos habitantes pelo primeiro imóvel, a venda de imóveis pequenos cresce a cada dia.

1 – USE ESPELHOS

Usar Espelhos é um grande truque dos arquitetos para dar mais leveza e suavidade em um ambiente pequeno, eles transmitem espaço, e dão uma sensação agradável aos moradores e convidados do apto. Pode ser usado desde um grande espelho (o opção mais comum), ou pequenos espelhos usados em conjunto. Limpeza é fundamental, deixe-os sempre limpos, pois será um ponto de referência atrativo da casa. Outra dica é usar espelhos nas laterais de corredores, para parecerem maiores.

2 – CORES CLARAS

Não precisa ficar apenas no branco convencional (sua casa não precisa ficar com cara de escritório!), mas use cores claras para dar uma melhor sensação de espaço nos ambientes pequenos.

3 – COMPARTIMENTOS SECRETOS

Você pode usar recipientes para organizar as coisas com mais praticidade, ao invés de deixar tudo jogado pela casa. Existem móveis, como poltronas, sofás e camas com compartimentos secredos para guardar os objetivos. Mas tome cuidado para não abusar e usar móveis grandes demais.

4 – SIMPLIFIQUE SUAS COISAS

Não guarde coisas que não usa, elas ocupam muito espaço em seu apartamento, e são inúteis! Uma dica é: se tem algo que você não usa nos últimos 3 anos, é inútil, faça uma doação ou coloque a venda na internet.

5 – JANELAS GRANDES E SEM BLOQUEIOS

Tenha uma janela grande para facilitar a circulação de ar, e não as cubra com janelas de metais, ou matérias semelhantes, que bloqueiem a entrada de luz e ar. Algumas janelas de madeira ou metal podem bloquear 50% da entrada de ar e luz, isso é um grande erro em apartamentos pequenos. Caso precise proteger as janelas das crianças e animais, use cercas de proteção que tem a função de bloquear acidentes, porém não impedem a entrada de luz e ar.

6 – SOLUÇÕES PARA COZINHAS PEQUENAS

Se você tem um apartamento pequeno, obviamente a cozinha é muito pequena também, mas não se desespere, temos alguns conceitos para te ajudar a criar um ambiente de cozinha bem bacana.

Desenhe a sua cozinha de modo que os armários e eletrodomésticos fiquem alinhados de cada lado de um corredor.

Compre eletrodomésticos compactos, hoje os fabricantes têm muitas opções de aparelhos, você deve verificar as medidas nos sites dos fabricantes, ou verificar pessoalmente nas lojas físicas; não fique com vergonha de levar uma fita métrica, meça os equipamentos e os espaços no seu apartamento.

Fogão cooktop: É uma excelente opção para cozinhas pequenas, mas lembre-se que você perderá o forno; de qualquer maneira ganhará o espaço debaixo do fogão cooktop para armazenar utensílios e alimentos.

Mesa que abre fecha (levanta e recolhe): Essa é uma dica de ouro, essa mesa pode facilitar muito a sua vida, você só precisa abrir (levantar) quando for fazer uma refeição, no caso de kitnet, por exemplo, elas são essenciais! Imagine um casal morando em uma kitnet, quando um acordar para tomar o café da manhã antes de ir ao trabalho, irá fazer um grande barulho se usar a sala, usando uma mesa ‘levanta e recolhe’ na cozinha, mesmo que esta seja muito pequenina, o problema está resolvido.

Pendurar panelas e frigideiras: Pode ser um grande trabalho abrir e fechar compartimentos e armários em cozinhas pequenas, ainda mais panelas que ocupam muito espaço; em armários pequenos é difícil guardar tudo, você pode pendurar na parede as coisas que usa todo dia e em diferentes refeições, como por exemplo, frigideira, panelas pequenas, luvas, e pano de louça.

7 – ILUMINAÇÃO

A maioria dos apartamentos tem apenas uma luz fixa no teto, o que faz um apartamento pequeno parecer ainda menor, use um número maior de lâmpadas com visual moderno (não precisa ser com lustres!) para deixar o espaço melhor iluminado e com visual atraente; você não precisa necessariamente quebrar o teto para isso, pode fazer aplicações em gesso!

8-NÃO ABUSE DOS QUADROS

Não coloque muitos quadros na parede, vai fazer parecer que o espaço está todo ocupado, e que não é bom em ambientes pequenos.

9-UNIÃO ENTRE CÔMODOS COM VIDRO

Em muitos apartamentos pequenos a cozinha e a sala são unidas; nesse caso ao invés de subir uma parede inteira, opte por subir apenas metade da parede, como um tipo de cozinha americana, e feche o restante com vidro transparente, isso vai dar uma sensação de espaço maior tanto para cozinha quanto para a sala, e ainda assim manter a organização e a sensação de divisão.

10- PLANTAS

Trazem vida ao apartamento, em locais pequenos podem ser penduradas no teto ou na parede através de ganchos especiais, lembre-se que devem ser colocadas em um local onde chegue o sol, ou compre plantas que não precisem da luz solar para sobreviver.

Fonte: http://casabemfeita.com/decoracao-apartamentos-pequenos/

Deixe seu comentário aqui:

Veja 10 dicas para comprar um imóvel no atual cenário econômico

blog_tecnisa_comprar_imovel

A compra da casa própria continua sendo o maior sonho de muitos brasileiros. Mas a instabilidade econômica do nosso mercado acaba fazendo com que muitos aguardem um momento mais propício para comprar. Por outro lado, muitas pessoas estão realizando o seu sonho. Para ajudá-lo, preparamos 10 dicas para que você sinta-se mais seguro ao tomar a sua decisão.

1) Capriche na entrada

Junte dinheiro para dar a maior entrada possível. O ideal é acima de 50% de entrada. Quanto menor o prazo de financiamento, menores os juros e menor o risco de inadimplência.

2) Comprometa no máximo 30%

Nunca comprometa mais do que 30% da renda com a prestação do financiamento. Acima de 30%, aumentam as probabilidades de ter problemas financeiros. É importante deixar uma margem para imprevistos.

3) Só compre com certeza

Se você está pensando em se mudar ou aumentar a família, é melhor alugar. Em média, o processo da compra e da venda de um imóvel tem um custo de 10% do valor do imóvel só com pagamento de corretagem e impostos.

4) Quem tem dinheiro tem desconto

Sempre é mais fácil negociar o preço quando se tem dinheiro para pagar a vista. Os descontos podem passar de 20%, em média. Participar de feirões e saldões pode render descontos ainda maiores, de até 40%.

5) Aluguel estratégico

Alugar um imóvel barato para morar pode ser uma boa estratégia para conseguir juntar dinheiro para a compra da casa própria.

6) Não compre o imóvel dos sonhos

Não se frustre tentando comprar primeiro o imóvel dos sonhos. Se esse objetivo parece inalcançável num primeiro momento, comece juntando dinheiro para comprar um imóvel de menor valor. É mais fácil formar o patrimônio com passos pequenos de cada vez.

7) Faça um planejamento

Comprar uma casa envolve sacrifícios como deixar de sair todo fim de semana, fazer a viagem mais cara ou trocar o carro todo ano. É preciso economizar todo o dinheiro possível.

8) Avalie seu crédito

Antes de se comprometer com uma compra, peça ao seu gerente uma avaliação de quanto crédito você poderá obter. Não confie apenas nos simuladores disponíveis nos sites dos bancos, pois a concessão de crédito depende da avaliação de sua real situação financeira.

9) Aplique na renda fixa

Para guardar dinheiro para a compra da casa própria, a recomendação é investir em renda fixa e em uma aplicação com o menor risco possível, tais como títulos pós-fixados indexados à taxa Selic do Tesouro Direto.

10) Confira a documentação

Verifique toda a documentação do imóvel e do vendedor antes de comprar, para não perder dinheiro. Quando comprar imóvel na planta, verifique a situação da construtora.