Como regularizar um imóvel sem matrícula?

Dicas para regularizar seu imóvel- (1) Continuar lendo Como regularizar um imóvel sem matrícula?

Quer vender seu imóvel? Então tenha em mãos a matrícula atualizada.

Diariamente atendemos clientes que chegam até a Imobiliária Jaeger ou nos contatam pelos canais digitais, com a intenção de venda de seu imóvel. O primeiro passo para o cadastramento deste imóvel é a compreensão do bem e visualização de documentação referente ao mesmo. Nossa solicitação é da apresentação da matrícula do imóvel para entender o que está registrado e confirmar a propriedade do imóvel.

Quando alguém diz que “não tem escritura”, tecnicamente quer dizer que não tem registro imobiliário, e isto significa que estamos diante de um vendedor que não é o proprietário. E é válido o dito popular segundo o qual “quem não registra não é dono”, porque propriedade se prova com o registro da matrícula do imóvel.

Quem é proprietário, usa, vende, aluga, reforma, dispõe do imóvel e pode até exigir a sua devolução de quem injustamente o ocupe, enfim, é dono do subsolo e do espaço aéreo e tem o que, na linguagem jurídica, se denomina “direito real”. Já o “promissário comprador”, no caso de um Contrato de Promessa de Compra e Venda, tem o chamado “direito pessoal”, algo que ele sempre poderá defender, é lógico, mas para tal, sempre enfrentará uma série de obstáculos jurídicos e, a cada discussão, precisará mostrar todos os seus documentos e provas, enquanto o proprietário basicamente exibe a certidão do registro imobiliário, isso é tudo. Em suma, o “promissário comprador” está quase lá, mas ainda não detém a propriedade.

E se o “promitente vendedor” sumir ou, por uma razão qualquer, não outorgar a escritura no futuro, vão restar para o adquirente os intrincados caminhos judiciais, demorados e caros.

Antes da compra de qualquer imóvel é necessário a solicitação de uma matrícula atualizada do imóvel para verificar a sua atual situação e se não existe gravame que impeça o registro. Podem ser pedidas também ao vendedor certidões diversas (de feitos ajuizados, cíveis, criminais etc.), que visam principalmente aferir se existe demanda judicial referente ao imóvel adquirido.

Nada impede a negociação “sem escritura”, mas jamais se terá a mesma segurança como quando efetivamente se compra o imóvel, com o registro da escritura no Cartório de Registro de Imóveis.

Nossa solicitação pela documentação do imóvel a ser vendido ou comprado é para que possamos dar totais garantias para ambas das partes envolvidas no processo. Nossos consultores imobiliários darão aos nossos clientes todas as orientações necessárias para que a aquisição seja algo garantido e sem situações de riscos posteriores. Entre em contato conosco, estamos aguardando para auxiliá-los.

#VemPraJaeger

Fontes:

https://www.zappro.com.br/saiba-importancia-da-escritura-e-registro-de-imoveis-e-oriente-seu-cliente/

http://casaeimoveis.uol.com.br/tire-suas-duvidas/leis-e-direitos/e-muito-arriscado-comprar-um-imovel-sem-escritura-quais-problemas-posso-enfrentar.jhtm

https://www.konkero.com.br/financiamento/casa-propria/confira-6-situacoes-que-deixam-o-seu-imovel-irregular-e-saiba-como-resolve-las

Muros na divisa: Opiniões divididas.

muros-na-divisa-ar-titulo

Ao adquirirmos um imóvel, uma das principais preocupações é com a segurança. E então, entram em cena as grades, cercas, portões, sistemas de vigilância, muros, etc.

O muro serve para delimitar a área do que está dentro e o que está fora de seu terreno, além de proporcionar maior privacidade, segurança e também impedir a entrada de animais.

Mas como fazer na hora de construir um muro? Este muro deve ficar bem na divisa dos dois terrenos ou ser construído totalmente no seu lado do terreno?

Não são poucas as histórias de problemas entre vizinhos envolvendo esta questão, portanto vamos citar algumas situações e dicas de como administrá-las.

Quando o muro for construído margeando a divisa, porém totalmente dentro do terreno de seu vizinho, este muro pertence a ele e pode ser erguido com a extensão e altura que bem lhe convier.  Neste caso, para toda e qualquer obra, projeto ou intenção de construção de maneira que você utilize este muro como parede, apoio ou parte da obra, deve-se pedir autorização ao vizinho que o construiu, e ressarci-lo da metade do valor gasto por ele na construção daquela determinada parte do muro, adquirindo assim o direito de utilizá-lo.

Porém, tome muito cuidado! Observe sempre as características da construção do muro, como seu alicerce, pilares, cintas de amarração e altura, sabendo assim se ele vai comportar e resistir a obra pretendida. Portanto, cuide ao apoiar uma nova construção nos muros já existentes, pois provavelmente eles não foram calculados para resistir a cargas maiores e possivelmente entrarão em colapso.

Se há um acordo prévio entre os vizinhos, o muro pode ser erguido sobre a linha de divisa dos dois terrenos, ficando a metade para cada lado e pertencendo a ambos os vizinhos, devendo ambos arcarem com as despesas de construção igualmente. Dessa maneira ambos os vizinhos tem direito de uso do referido muro podendo usá-lo como parte de uma parede ou apoiar alguma estrutura nele.

Para esse tipo de construção, cada lado do muro pode ser personalizado como o proprietário quiser, podendo o mesmo aplicar revestimentos, texturas, pintura e motivos decorativos a seu gosto. Observar sempre para que ambos os lados sejam rebocados (ou pelo menos salpicados) evitando assim infiltrações.

Caso o vizinho tenha construído o muro no terreno dele e tenha deixado o seu lado sem reboco, e você tiver interesse em rebocar e pintar para melhorar a estética e visual no seu lado, você pode fazer este investimento, pois agregará valor e benefícios para o proprietário e, se por ventura ele não concordar, cabe uma ação judicial que lhe garanta esse direito.

Se o muro for seu, e o vizinho em obras, aterro ou terraplanagem cause dano, cabe a ele o devido reparo ou construção de novo muro com iguais características ao danificado ou destruído.

Em casos extremos, para evitar atritos e divergências com os vizinhos, há também a possibilidade de construção de um outro muro do seu lado do pátio, paralelo ao muro já existente e, caso esta seja sua escolha, tome cuidado para que não fiquem frestas que permitam a entrada de água da chuva entre os muros causando infiltrações.

Dentre todas as dicas, a principal ainda é uma boa conversa com seu vizinho para chegarem a um acordo sensato e coerente para ambas as partes, pois provavelmente irão conviver por muito tempo, e uma boa convivência torna tudo mais agradável.

Negocie profissionalmente o seu imóvel: contrate um Corretor de Imóveis

blog rogério.jpg

corretor de imóveis é o responsável por intermediar toda a relação comercial de um imóvel entre vendedor e comprador, avaliando corretamente a propriedade a ser vendida ou alugada e disponibilizando todas as informações necessárias aos clientes interessados.

Avaliar, divulgar, atender e negociar. Tudo isso exige conhecimento e experiência quando se trata de vender ou alugar um imóvel, sendo indispensável a contratação de um profissional do ramo imobiliário.

O corretor de imóveis é o profissional mais capacitado para negociar um imóvel. Seu conhecimento e a sua experiência no mercado fazem com que ele avalie corretamente o real valor da propriedade e conheça todos os procedimentos necessários e trâmites legais na transação. Além disso, este profissional possui uma grande habilidade de negociação, sabendo valorizar os pontos fortes da propriedade e apresentar um embasamento técnico eficaz durante a apresentação do imóvel ao interessado.

Ao dispensar a contratação de um corretor de imóveis, o proprietário corre grandes riscos de vender o imóvel abaixo do seu real valor, o que acaba trazendo prejuízos ainda maiores do que o valor que seria pago como comissão ao corretor. Por isso, contratar um profissional do ramo imobiliário para estipular o melhor preço do bem é a melhor maneira de vender um imóvel de acordo com a realidade de mercado.

Outro motivo para contratar os serviços de um corretor de imóveis é que este profissional possui a total disponibilidade de tempo para atender um cliente. Seja durante a noite ou em finais de semana, este profissional estará disponível o tempo que for necessário até a concretização do negócio.

Ao contratar um corretor, este profissional estará encarregado de divulgar o imóvel da melhor maneira e em diversos meios. Seja através de site imobiliário, placas ou portais, ter um profissional do ramo imobiliário para cuidar da divulgação do imóvel a ser vendido aumentará as chances de venda e diminuirá o tempo de espera pelo fechamento negócio. Além disso, um bom corretor de imóveis possui sempre uma carteira de clientes interessada em adquirir imóveis e isso garante a obtenção de melhores propostas.

O auxílio do corretor de imóveis também poupa o proprietário da parte burocrática. Com o domínio da legislação imobiliária, é o corretor de imóveis o profissional mais capacitado para lidar com toda a documentação necessária do início ao fim do processo de venda do imóvel. A legislação imobiliária é extensa e complexa e os contratos que deverão ser elaborados são documentos legais, sendo o corretor totalmente preparado para manejar isso.

A Imobiliária Jaeger possui corretores competentes e experientes para ajudá-lo a conduzir de forma profissional o seu negócio.

#VemPraJaeger

Perspectivas do mercado imobiliário para 2017

business-modelcanvas1

Já conseguimos vislumbrar 2017 no horizonte. Falta pouco para a tradicional contagem regressiva, os brindes e a renovação de sonhos e planos que ficaram pelo caminho em 2016. Para muitos, é hora finalmente de planejar a aquisição do seu imóvel, seja ele comercial ou residencial.

Mas o que esperar desse novo ano? O que ele poderá trazer de oportunidades e ameaças? Sabemos que a confiança de todos melhora demais nessa época. Mas ela somente não é suficiente para concretizar a aquisição de um imóvel. É preciso ficar de olho em muitos outros fatores.

A seguir, vamos listá-los e considerar quais irão influenciar de forma positiva o setor no próximo ano:

Inflação em desaceleração: A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016. Para 2017, a previsão do mercado financeiro para a inflação é de 5,07%, conforme divulgação do Banco Central no último Relatório Trimestral de Inflação, documento que possui as expectativas para a economia.

No entanto, o Banco Central comunicou que tentará conseguir atingir meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.

Redução da taxa de juros: A taxa de juros, quando mantida alta, onera o crédito e colabora pra inibir o consumo das famílias e a injeção de capital das empresas, elementos mandatórios para a recuperação do crescimento da economia.

Porém, ainda de acordo com o mercado financeiro, para 2017, a estimativa da taxa de juros é de 11%, o que presume uma queda maior no próximo ano.

Produto Interno Bruto (PIB): Outro fator que contribui para a recuperação do mercado imobiliário é o crescimento do PIB, posto que desempenha o papel de medir o comportamento da economia brasileira, além de ser a junção de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro.

Nesse sentido, a perspectiva é favorável à indústria imobiliária, pois o Banco Central enxerga um cenário dessemelhante para 2017 e mais satisfatório do que o vivido pelos brasileiros em 2016. A instituição anunciou que o PIB deve crescer 1,3% em 2017.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) também vê crescimento do PIB em 2017. Segundo Alejandro Werner, diretor do hemisfério ocidental do órgão, é esperado que a economia brasileira atinja seu ponto mais baixo este ano para ter um crescimento positivo no próximo.

O FMI estimou um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nula feita nos dois últimos levantamentos do órgão.

Outros indicadores: Ademais, de acordo com o BC, a projeção é de que outros indicadores voltem a crescer. Os investimentos devem chegar ao fim de 2017 com uma alta de 4% ante uma queda de 8,7% em 2016.

No consumo das famílias, espera-se que mais números positivos sejam apontados: a organização prevê uma alta de 0,8% no próximo ano.

Benefícios provenientes de uma economia fortalecida: Com o desemprego e a inflação em alta, o consumidor visa adiar o sonho da casa própria, já que ele enfrenta mais dificuldades para assumir dívidas e fechar novos negócios.

Ainda, perante um cenário de retração econômica, os bancos se tornam mais criteriosos para conceder empréstimos.

No entanto, para 2017, a previsão é de que haja redução de juros, o que faz com que a economia fique mais aquecida.

Com isso, as empresas podem colher alguns benefícios. São eles:

Melhora na confiança e renda do consumidor: Com a melhora das perspectivas sobre a inflação, a confiança e a renda dos brasileiros tende a aumentar.

Isso porque consumidores confiantes, com possibilidades positivas em relação ao emprego e, consequentemente, à condição financeira, compram mais, o que ajuda no aquecimento da atividade econômica.

Dessa forma, mesmo bens maiores, como automóveis e imóveis, que, no momento atual – de acordo com o INEC (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor) – as pessoas estão mais cautelosas para adquirir, apresentarão excelente performance de vendas.

Baixa inadimplência: A melhora da dinâmica da economia também está ligada à queda da inadimplência.

Esse é um fator preocupante, visto que indica maior risco de que parte das vendas efetuadas e/ou serviços contratados não sejam recebidos, o que gera uma reação em cadeia.

Vamos supor que um consumidor tenha adquirido um imóvel e não tenha conseguido pagar. Dessa forma, ele tenta fazer um acordo para devolver o imóvel para a construtora. Essa, por sua vez, pode ter que cortar funcionários, o que tem reflexo direto no aumento do desemprego.

A melhora da inadimplência é um dos fatores determinantes para que o mercado imobiliário volte a crescer.

Aumento da empregabilidade: O aumento da empregabilidade também é um aspecto importante e influencia diversos setores da economia.

Em 2017, economistas preveem que o desemprego deve ceder, o que também influenciará positivamente o mercado imobiliário.

Crédito imobiliário mais barato: Com uma economia mais estável, o mercado imobiliário é influenciado positivamente, já que, assim, os consumidores voltam, também, a ter crédito disponível.

Afinal, em um ciclo econômico crescente, há crédito imobiliário mais barato e uma demanda em alta.

Quem atua no setor sabe que a falta de crédito para financiamento de imóvel é uma condição necessária para o avanço do mercado imobiliário no Brasil.

Baixo crédito imobiliário em 2015 e 2016: Entre 2015 e 2016, o mercado imobiliário brasileiro viveu um momento com muitas especulações e dúvidas.

Em 2015, o resultado desfavorável do setor foi puxado pelo enfraquecimento na economia nacional e incertezas políticas. Em virtude disso, a taxa de juros era alta e o crédito mais escasso.

Por esse motivo, muitas incorporadoras não lançaram novos empreendimentos, concentrando-se somente na venda das unidades em estoque.

Retomada do crescimento do mercado imobiliário em 2017: Os sinais de uma melhora para o mercado imobiliário virão em 2017 com a desaceleração da inflação e a queda na taxa básica de juros no país, fatores que vão favorecer a oferta de crédito imobiliário para o consumidor.

O setor depende de como está o cenário no país, e já é possível prever uma melhora econômica e boas expectativas para o próximo ano.

Com a retomada do crescimento econômico e os ajustes que devem ser feitos no cenário político, a tendência é que o mercado imobiliário apresente boa melhora em 2017.

Quer conversar mais sobre algum desses assuntos? Venha até a Imobiliária Jaeger falar com um dos nossos consultores, sempre prontos a lhe auxiliar na sua tomada de decisão.

#VemPraJaeger

Fonte: http://exame.abril.com.br/negocios/dino/mercado-imobiliario-perspectivas-para-2017-shtml/

 

6 coisas que você precisa saber sobre Herança

heranca_-um-assunto-dificil-mas-que-precisamos-abordar-1

Este é um assunto sobre o qual praticamente ninguém gosta de falar, mas sua importância é enorme, pois é justamente nos momentos de maior sensibilidade que uma família precisa resolver os documentos da herança. Existem várias questões a serem levadas em consideração sobre o tema: quem são os herdeiros? Como deixar um testamento? Sobre quais bens eu posso dispor livremente no testamento? Preparamos abaixo algumas questões que ocorrem com maior frequência. Mas lembre-se: essas questões devem ter sempre o acompanhamento profissional do seu advogado.

1)   Sucessão de bens

Primeiramente, vamos explicar sobre a sucessão de bens, que é a transmissão de bens móveis ou imóveis, após a constatação da morte ou ausência (desaparecimento) de uma pessoa. A partir desse momento, diversos efeitos jurídicos são gerados, pois a pessoa que morreu pode ter dívidas a pagar, créditos a receber, patrimônio a transmitir, entre outras questões. Normalmente, estas questões são resolvidas judicialmente, principalmente quando há menores de idade envolvidos. Se houver acordo entre herdeiros e nenhum interesse de menor de idade, é possível fazer esse mesmo procedimento de partilha nos cartórios.

2) Sem testamento

Não havendo testamento, a Lei determina quais serão os herdeiros naturais da pessoa que morreu. No Brasil, o cônjuge e os descendentes (filhos) são os herdeiros naturais. Se não houver filhos, mas netos, eles também herdam a parte que caberia a seus pais. Se não houver descendentes, herdam o cônjuge e os ascendentes (pais). No caso de não haver pais, mas avôs, esses herdam a parte que caberia aos pais. Na hipótese de indivíduos que morrem sem cônjuge, herdam descendentes e ascendentes, nessa ordem. Na falta dessas pessoas, herdam os irmãos e, na falta desses, parentes até o 4º grau.

3) Partilha da herança

A partilha é complexa porque depende do regime de bens, de haver casamento ou união estável, filhos em comum, bens só do falecido ou de ambos, etc.

Geralmente é feita por cabeça, de acordo com as pessoas aptas a herdar. Se só existirem filhos, cada um deles receberá a mesma parte do patrimônio. Se houver cônjuge, ele normalmente tem direito à metade do patrimônio do casal, a depender do regime patrimonial do casamento (comunhão total ou parcial de bens, separação total etc.).

O cônjuge que sobrevive tem direito a ficar com a casa em que morava com o falecido. Se o valor da casa exceder a parcela a que o cônjuge tem direito sobre a herança, será necessário pagar o excedente aos demais herdeiros.

4) Como funciona o testamento

Se houver herdeiros necessários, a pessoa só poderá dispor uma parcela de seu patrimônio em testamento. A outra parcela, chamada “legítima”, deverá ser repartida, necessariamente, entre os herdeiros naturais (descendentes, ascendentes e cônjuge). Só será possível afastar essas pessoas do recebimento da herança em casos bastante específicos, como na deserdação por indignidade.

Se houver apenas um cônjuge como herdeiro, a legítima recebe a metade da herança. Ou seja, se o patrimônio total do indivíduo for de R$ 500.000, apenas R$ 250.000 podem ser designados de acordo com a vontade da pessoa que morre. Os outros R$ 250.000 cabem, necessariamente, ao cônjuge. O mesmo ocorre quando não há cônjuge e o falecido deixa apenas um filho.

Se houver filhos e cônjuge, a legítima é de dois terços da herança. Ou seja, sobra um terço da herança para dispor livremente. O mesmo ocorre quando há somente filhos, caso em que a legítima será de dois terços e a quota disponível será de um terço.

5) Como fazer um testamento

Atualmente, as formas de testamento mais comuns são: o público (feito em cartório), o cerrado (literalmente, selado até o momento de sua abertura) e o particular (que pode ser escrito de próprio punho ou mesmo em computador, desde que com a assinatura de três testemunhas). Da mesma forma como foram feitos os testamentos, eles podem ser desfeitos (revogados). Desde que a pessoa esteja em pleno exercício de suas capacidades mentais, é possível mudar de ideia acerca da parcela disponível de seus bens, nomeando novos herdeiros e realocando a destinação de seus bens.

6) Dívidas e créditos do falecido

Dívidas e créditos devem ser contabilizados no momento de inventariar o patrimônio deixado pelo falecido. Somam-se todos os bens, o que inclui créditos e outras aplicações financeiras. Desse valor, subtraem-se todas as dívidas deixadas. Se essa quantia exceder o valor dos bens, não há como cobrar dos herdeiros o excesso. As pessoas somente herdam o valor que excede as dívidas do falecido, não seus débitos.

Por isso, um procedimento de inventário e partilha de bens deve levar em consideração todos os bens, créditos, débitos e finanças do falecido, para que só seja realizada uma partilha no final do procedimento. Durante esse processo, um dos herdeiros é chamado para administrar estes bens. Se não houver herdeiros, o juiz pode nomear um administrador para eles.

Se você ainda tem dúvidas, venha até a Imobiliária Jaeger. Nós podemos indicar advogados que são nossos parceiros profissionais, capacitados para lhe auxiliar.

#VemPraJaeger

Fonte: https://financaspessoais.organizze.com.br/tudo-o-que-voce-procurava-sobre-heranca/

 

Faça Dinheiro Comprando e Vendendo Imóveis

Casa.jpg

Uma das formas mais lucrativas de renda extra é fazer dinheiro comprando e vendendo imóveis.
O mercado de investidores em imóveis é imenso e muita gente já fez e ainda faz fortuna neste ramo, considerado um dos mais seguros na hora de investir.

Agora você pode ter pensado: “não tenho dinheiro para comprar um imóvel então isto não é para mim”.
Aí que você se engana, muitas pessoas investem em imóveis mesmo sem ter muito dinheiro, é apenas uma questão de saber onde arrumar os recursos financeiros necessários.
Sempre busque por instituições de confiança e com anos no mercado para realizar esse tipo de transação.

Invista preferencialmente em imóveis na planta, apesar de exigir planejamento e paciência até a entrega, sua valorização varia entre 20% e 50%.

Se precisar esperar pela valorização do imóvel antes de vendê-lo, você poderá gerar uma renda recorrente com o aluguel do mesmo.
E tenha certeza que eles vão subir, sempre sobem. Então o nosso conselho é: “Não espere para comprar imóveis. Compre-os.

Imóveis na planta também são mais baratos, além de serem uma forma de poupança. Também permitem ao comprador planejar os pagamentos, alterar as especificações de acabamento, fazer modificações internas e programar a entrega.

Outra vantagem do imóvel na planta é o não pagamento de juros, pois normalmente a aquisição acontece da seguinte maneira: o investidor paga uma entrada para a construtora e o restante durante a execução da obra.

Se for comprar, observe essas características:

  • Localização: verifique o acesso ao imóvel, qualidade das ruas, presença de praças, padarias, escolas, estações de ônibus/metrô, segurança e iluminação do entorno.
  • Acabamentos: peça um “memorial descritivo” da obra para saber que tipo de acabamento será colocado não só na parte interna, mas nas áreas comuns como hall, sala de estar, salão de festas. Veja se as cerâmicas e os metais são de primeira linha, as pedras de qualidade e bom gosto. Se a construtora prometeu mármore na bancada do salão de festas pelo memorial descritivo e colocou granito (de preço inferior), você deve exigir a troca antes de assinar o termo de recebimento;
  • Planta/Layout: veja a disposição dos cômodos se agrada o público alvo que a unidade foi desenhada. Plantas com pouco corredor indicam que o arquiteto pensou bastante quando foi desenvolver o projeto. Ambientes diferentes como escritório, adega, lareira ou varanda com churrasqueira podem fazer a diferença. Fachada e equipamentos e espaços de uso comum (como piscina, sala de ginástica, brinquedoteca, etc.) são avaliadas nesta fase. Lembre-se que seu imóvel não precisa ter todos os itens, apenas ser mais atraente que os concorrentes.
  • Neste quesito vale lembrar que apartamentos em andares altos e apontados para o norte/leste (sol da manhã) são mais valorizados que os demais.

Venha até à Imobiliária Jaeger e um dos nossos consultores irá lhe auxiliar a escolher o melhor imóvel para investimento.

#vemprajaeger

Um pai pode doar um imóvel a um filho sem dar nada a outro?

2013-08-08-educacao-financeira-filhos

herança é apenas uma expectativa de direito dos herdeiros, pois não existe herança de pessoa viva. Neste caso, se o pai vendeu o imóvel, o dinheiro apurado pertence exclusivamente a ele.

Para que os filhos tenham direito sobre algum bem ou valor recebido pelo seu pai, é necessário que ele faça uma doação.

Caso a doação seja feita, ele deve respeitar o regime de bens do casamento ou da união estável e todos os herdeiros deverão ser beneficiados na mesma proporção, para que ela não seja invalidada posteriormente.

Segundo o Código Civil, metade do patrimônio de uma pessoa pode ser transmitida por testamento a quem o autor da herança desejar, mas os outros 50% devem ser repartidos igualmente entre os herdeiros necessários (que podem ser os filhos, os pais e o cônjuge ou companheiro).

Supondo que um pai tenha dois filhos e não seja casado, nem viva em uma união estável, e o imóvel seja doado a apenas um deles, o outro filho pode contestar a doação depois que o pai falecer caso ele não tenha obtido uma parcela do patrimônio compatível com o que é exigido por lei (que no caso seria o mínimo de 25% do patrimônio).

Quando o bem é doado em vida, no entanto, por mais que a doação seja contestada, ela pode não ser anulada porque só é possível concluir se um dos herdeiros ficou com parte do patrimônio inferior ao que é permitido por lei quando o autor da doação falece e todos os bens são repartidos.

É por isso que no caso da contestação de uma doação feita em vida é aberto um processo judicial para que a situação seja analisada com mais profundidade.

Além disso, se a doação feita em vida beneficiar um terceiro, sem que nenhum dos herdeiros receba parte do patrimônio, não pode ser feita qualquer contestação, uma vez que nenhum dos herdeiros foi beneficiado em detrimento de outro.

Ou seja, se o seu pai doar a casa a um amigo, nenhum de seus herdeiros pode contestar a doação.

Mas lembre-se, tanto sobre a doação como sobre a herança incide o imposto chamado de ITCMD, cujo valor da alíquota gira em torno de 5% (cinco por cento) sobre o valor do bem, dependendo de cada estado.

Se você ainda tem dúvidas, entre em contato com a Imobiliária Jaeger e converse com um dos nossos consultores.

#vemprajaeger

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/um-pai-pode-doar-um-imovel-a-um-filho-sem-dar-nada-a-outro

PLANEJE AGORA A COMPRA DO SEU IMÓVEL

images

No processo de compra de um imóvel é indispensável o planejamento. Um bom planejamento evita dores de cabeças futuras e ajuda a tornar o sonho da nova casa em uma realidade mais próxima.

O Planejamento Financeiro

Avalie a sua situação financeira antes de sair à procura por um imóvel. Veja todas as economias que possui, e veja quanto desse valor poderá ser usado na compra.

Uma das fontes de economia mais usadas para compra de imóveis é o FGTS. Em muitos casos ele pode ser usado.

Sempre financie o menor valor possível e considere comprometer no máximo 25% da renda família com as parcelas.

Outra dica para seu planejamento financeiro é avaliar o momento: se precisa do imóvel no curto prazo ou se pode esperar. Se puder esperar e comprar um imóvel na planta, você conseguirá ter um fôlego maior para juntar suas economias e consequentemente terá um valor maior para dar de entrada.

Atenção aos custos extras

Na hora de avaliar a compra de um imóvel, há outros custos que também devem ser adicionados à conta, e que muitas pessoas esquecem na hora de fazer os cálculos. Se você estiver procurando um apartamento, ou uma casa em um condomínio fechado, lembre-se de verificar o valor do condomínio para ver se ele cabe em seu orçamento mensal.

O ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) é usualmente pago pelo comprador e representa um custo adicional de 2% sobre o valor do imóvel.

Definindo as prioridades

Faça uma lista com as características que você está procurando em um imóvel e as ordene de acordo com a prioridade.

Na hora de listar as características prioritárias, não se prenda apenas aos pontos internos do imóvel, mas avalie também a sua necessidade em relação à região em que ele se encontra. Possui escola no bairro? Supermercado por perto? Quanto tempo do shopping? É uma região de fácil acesso utilizando transporte público? Muitas vezes as características da região são até mais importantes que as do próprio imóvel, portanto não as deixe de fora.

Pense no futuro

Pense além! É importante pensar em como você estará daqui a dez anos, considerando os planos que tem para a sua vida, e analisar se o imóvel que você está adquirindo tem capacidade para suportar as eventuais mudanças.

Analisando de forma geral, é importante começar seu planejamento financeiro o quanto antes, isso te permitirá ter um valor maior para utilizar como entrada e pagar menos juros no financiamento, assim você realiza o sonho da nova casa sem dificuldades financeiras.

Entre em contato com a Imobiliária Jaeger e converse com um de nossos consultores imobiliários que estão à disposição para auxiliá-lo.

Utilize um Engenheiro Civil na administração da sua obra e economize até 25%

132671

Desde a criação dos primeiros processos construtivos da antiguidade até os dias atuais, a atuação presente de um profissional como o engenheiro civil, tende a evitar desperdício de materiais e mão de obra na construção civil. É um erro do proprietário de uma obra, não contratar o Engenheiro Civil para fiscalizá-la, apenas com o intuito de economizar na etapa de execução.

O Engenheiro civil participa tanto da confecção de projetos como no pleno gerenciamento da obra. Deve aproveitar seu conhecimento para que ele atue tanto no Acompanhamento Técnico quanto na Administração de uma obra. Os valores gastos com os honorários de acompanhamento representa apenas 10% do valor na administração da obra, é um valor de prática no segmento. É neste momento que o profissional atua evitando que o retrabalho transforme-se no principal causador do desperdício de materiais e mão de obra, gerado pela falta de planejamento de uma obra.

Estando presente, seja, no gerenciamento, fiscalização e execução da sua obra, o Engenheiro Civil torna-se responsável pelo acompanhamento de vários itens da obra, como por exemplo: na medida de cômodos, na profundidade de fundações e na montagem da ferragem de estruturas, sempre para que tudo seja feito conforme os projetos.

Tendo um profissional responsável pela administração da obra, o proprietário atua como um verdadeiro investidor, pois pode acompanhar – em tempo real – por meio de relatórios financeiros, o tempo e a qualidade da construção, não se preocupando diretamente com o seu dia-a-dia. É aí que se torna possível visualizar eventuais imprevistos, dando tempo necessário para a reação do proprietário.

O Engenheiro civil fiscaliza o consumo de materiais, o andamento de custos e o tempo gasto. A obra é dividida em etapas, com prazos e custos pré definidos para cada uma delas, antes mesmo do início da construção. Dessa forma as etapas vão sendo cumpridas e analisadas em tempo real.

Com tudo isso, conclui-se que a presença de um Engenheiro na obra é fundamental para que o empreendimento traga todos os benefícios que os projetos de construção civil pretendem.

Estar presente em uma construção, torna o Engenheiro civil responsável por vários itens cruciais dentro do projeto de uma obra, como por exemplo a medida de cômodos, profundidade de fundações e na montagem da ferragem de estruturas.

A Imobiliária Jaeger pode indicar excelentes profissionais para acompanhar a sua construção. Entre em contato conosco e converse com um de nossos consultores imobiliários. #VemPraJaeger